As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Para Serra, Chávez ‘ameaça’ paz na América Latina

Camila Tuchlinski

26 Julho 2010 | 15h24

André Mascarenhas

O candidato tucano à Presidência, José Serra, afirmou ser “inegável” que a Venezuela abrigue, em seu território, guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). “Todo mundo sabe, até as árvores da floresta amazônica – até não, coitadas, elas são as principais testemunhas – de que as Farc se abrigam na Venezuela”, afirmou.

Leia também: MST fará mais invasões com Dilma, diz Serra

O candidato tucano não poupou o presidente venezuelano, Hugo Chávez. Para ele, a postura do líder vizinho traz instabilidade para a região. “A gente sabe que o Chávez é partidário do espetáculo. A Venezuela está com economia complicadíssima, inflação alta… Então ele vai criando fatos. Fatos que ameaçam a estabilidade da América do Sul, da América Latina e também do Brasil. Porque ter países se hostilizando nas nossas fronteiras também não é uma boa”, afirmou.

Serra disse que, em um eventual governo seu, proporia uma política de pacificação para as rusgas entre Colômbia e Venezuela, mas ressalvou que não se deve “ter viés para um lado, porque aí você perde a capacidade de negociação”.

“É inegável que o Brasil sempre teve mais simpatia pelo Chávez. É inegável que o Chávez abriga essas Farc”, acrescentou.

As declarações do candidato tucano acontecem em meio a elevação das tensões entre Venezuela e Colômbia. Chávez rompeu relações com o país vizinho na semana passada, depois que o governo do presidente Álvaro Uribe apresentou fotos, vídeos e mapas à Organização dos Estados Americanos (OEA) do que seriam acampamentos de guerrilheiros colombianos em território venezuelano. Segundo o embaixador da Colômbia na OEA, Luis Hoyos, existem 87 acampamentos e 1.500 soldados das Farc na Venezuela.

Serra falou hoje para empresários do Grupo de Líderes Empresariais (Lide), em um hotel da zona Sul de São Paulo. Em seu discurso, ele criticou a proximidade entre as diplomacias de Brasília e Caracas. Para o tucano, se o Itamaraty tivesse o mesmo empenho que demonstrou na questão nuclear do Irã para resolver os problemas da América Latina, as disputas entre os dois países vizinhos já estariam sanadas.

“Eu diria que (o contencioso entre Venezuela Colômbia) é muito mais prioritário do que o programa nuclear do Ahmadinejad, que consumiu uma massa de energia incrível. Para quê? Para nada”, criticou.

As críticas do tucano se deram em meio a ataques à política de comércio exterior do País. Na avaliação do tucano, a estratégia de aproximação com países “não-alinhados” trouxe apenas dividendos políticos para o Brasil. “O Brasil não tem política de comércio exterior. De 2002 para cá, houve cem acordos de livre comércio no mundo, e o Brasil assinou um, com Israel, que é um país pequeno, com alguns produtores”, criticou. “Há uma política exterior de muita projeção política para o Brasil. Para o bem e para o mal, mas não no que se refere à economia”, acrescentou.

Política contraditória

Além dos ataques à política externa, Serra usou seu discurso aos empresários para criticar a política econômica do governo Lula. Para ele, as atuações dos diferentes ministérios que compõem a área são contraditórias. “Você não pode ter um governo funcionando bem na economia com o pessoal durão da política monetária, o outro que é o papai noel do gasto, o outro que é o leão de arrecadar, cada um jogando por si. Independentemente da qualidade das pessoas”, exemplificou, sem citar nomes.

Para o tucano, a solução se daria através da integração da política econômica, por meio da escolha dos ministros que compõem a área. “É um problema de competência, de ter uma equipe entrosada, de você ter objetivos comuns”, afirmou.

Serra também criticou a atuação do governo federal durante a crise econômica mundial. “O enfrentamento do ciclo seguiu um manual oposto ao da economia keynesiana”, afirmou, numa referência às políticas anticíclicas propostas pelo economista britânico John Maynard Keynes – que propunha aumentar os gastos em investimentos a curto prazo e diminuir os juros. “Foi feito o contrário. (O Brasil) foi o único país do mundo que não abaixou os juros por quatro meses”, exemplificou o tucano, que também fez duras críticas a aumento dos gastos com consumo do governo e a baixa taxa de investimentos.

selinho_twitter2

Mais conteúdo sobre:

FarcSerra