A semana política: novas quebras de sigilos, prisão de aliados do governo no Amapá e denúncia contra a Casa Civil
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A semana política: novas quebras de sigilos, prisão de aliados do governo no Amapá e denúncia contra a Casa Civil

Camila Tuchlinski

12 de setembro de 2010 | 19h25

Rodrigo Alvares

Segunda-feira (06/07)

‘Lula debochou de coisa séria’, diz Serra sobre quebra de sigilos em sabatina no ‘Estado’

José Orenstein

Em sabatina no Grupo Estado, o candidato do PSDB à Presidência da República pelo PSDB, José Serra, reclamou da postura da Receita Federal e do governo na apuração da quebra do sigilo fiscal de familiares e políticos próximos a ele. Em crítica direta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que, no fim de semana, indagou se haveria, de fato, o vazamento de informações sigilosas de tucanos, Serra disse que “Lula debochou de coisa séria”.

PT quer que PF investigue relação entre jornalista e suposto dossiê

André Mascarenhas

O presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, informou nesta segunda-feira, 6, que o partido pedirá que a Polícia Federal apure a relação entre as investigações do jornalista Amauri Ribeiro Júnior e um suposto dossiê contra tucanos. De acordo com Dutra, o partido quer que a PF esclareça em que consistiu essa investigação, os documentos que foram obtidos por ela e a sua relação com o suposto dossiê.

Terça-feira (07/09)

0709-480

Presidente Lula no Rolls Royce abre o desfile de Sete de Setembro na esplanada dos Ministerios, em Brasília. Foto: André Dusek/AE

Lula participa de sua última comemoração da Independência como presidente da República

Carol Pires, de Brasília

A três meses de entregar a faixa presidencial a seu sucessor, o presidente Lula chegou hoje ao seu oitavo desfile de 7 de setembro sem conseguir colocar em prática a ideia de fazer um desfile itinerante por outras capitais. Mais uma vez realizado em Brasília, as comemorações da Semana da Pátria tiveram como tema este ano “Cultura Popular como ferramenta para a promoção da paz”. Os custos com infraestrutura ficaram em R$ 999.700,00, segundo informações da presidência.

Sigilo de filha de Serra também foi violado em Mauá

Os dados fiscais da filha do candidato tucano ao Palácio do Planalto, José Serra, também foram violados na agência da Receita Federal de Mauá (SP). O acesso indevido às informações de Verônica Serra ocorreu no mesmo dia em que outras quatro pessoas ligadas ao PSDB tiveram seus sigilos fiscais quebrados.

A primeira invasão dos dados de Verônica, já comprovada, havia ocorrido cerca de uma semana antes na agência de Santo André (SP), com a ajuda de uma procuração falsa usada por um contador filiado ao PT.

Governo não entregará cabeça de Cartaxo, diz Gilberto Carvalho

O governo não entrega a cabeça do secretário da Receita, Otacílio Cartaxo, e a oposição está fazendo das violações de sigilo fiscal dos tucanos uma “artimanha” eleitoral. O resumo do momento político visto pelo Planalto é do chefe de gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Gilberto Carvalho, e foi feito ao final do desfile militar do Sete de Setembro.

Quarta-feira (08/09)

debate robson fernadjes ae 08092010 480

Candidata ausente, Dilma vira alvo de adversários no debate Estadão/TV Gazeta

André Mascarenhas e Jair Stangler

A ausência da candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, foi o principal tema do debate promovido na noite desta quarta-feira, 8, pelo Grupo Estado e pela TV Gazeta. Participaram do evento os candidatos José Serra, do PSDB, Marina Silva, do PV, e Plínio de Arruda Sampaio, do PSOL. Primeira nas pesquisas, Dilma alegou incompatibilidade de agenda para não comparecer – ela participou de um comício em Minas Gerais.

Sigilo fiscal de genro de Serra também foi violado em Mauá

Leandro Colon e Rui Nogueira

O sigilo fiscal do empresário Alexandre Bourgeois, genro do candidato à Presidência José Serra (PSDB), também foi violado na Receita Federal. Os dados dele foram vasculhados no dia 16 de outubro do ano passado, oito dias depois da violação dos sigilos de sua mulher, Verônica Serra, do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, e de mais três tucanos.

As informações do genro de Serra foram acessadas três vezes a partir do computador da servidora Adeildda Ferreira dos Santos. O sigilo fiscal de Alexandre foi violado na agência da Receita em Mauá, mesmo palco dos outros acessos ilegais. Verônica Serra ainda teve sua declaração de renda violada no dia 30 de setembro por meio de uma procuração falsa.

PT pede acesso à investigação de espionagem no RS

Elder Ogliari, de Porto Alegre (RS)

A bancada do PT na Assembleia Legislativa gaúcha vai pedir acesso ao inquérito da 3ª Vara Criminal de Canoas que investiga supostas extorsões contra operadores de máquinas caça-níqueis e espionagem de políticos, advogados, jornalistas e juízes feitas pelo sargento César Rodrigues de Carvalho enquanto estava lotado – até o final de agosto – na Casa Militar da governadora Yeda Crusius (PSDB).

A medida foi anunciada hoje pelos deputados estaduais Raul Pont, presidente estadual do partido, e Stela Farias, uma das pessoas que tiveram sua vida e a de familiares vasculhadas.

Quinta-feira (09/09)

dilma_gabriel roberto stuckert filho 480

Foto: Robert Stuckert Filho/Divulgação

Primeiro neto de Dilma nasce em Porto Alegre

O primeiro neto da candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, nasceu nesta quinta-feira, 9, às 6h41 minutos, no hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre. O bebê recebeu o nome de Gabriel. Ele é filho do casal Rafael e Paula Covolo, filha da candidata.

Contador nega ter pedido acesso a dados de Verônica

Bruno Tavares, Marcelo Godoy e Fausto Macedo

No centro do escândalo da violação do sigilo fiscal de Verônica Serra, o contador Ademir Estevam Cabral negou nesta quinta-feira, 9, ter sido o autor do pedido de acesso a cópias de declarações de renda da filha do candidato José Serra (PSDB). “Não conheço (Verônica), nunca tinha ouvido falar”, ele afirmou, rompendo silêncio ao qual se impôs desde a semana passada, quando teve seu nome citado por Antonio Carlos Atella Ferreira, também contador e filiado ao PT por quase 6 anos.

Sexta-feira (10/09)

1009-480

No Amapá, vote em Waldez Góes, que está com Dilma’, diz Lula em horário eleitoral

Alcinéa Cavalcante, de Macapá (AP)

O presidente Lula apareceu ontem no programa eleitoral do ex-governador do Amapá e candidato ao Senado Waldez Góes (PDT), que foi preso na Operação Mãos Limpas nesta sexta-feira, 10, pela manhã. No programa, Lula pede votos para Góes e diz que Dilma Rouseff vai precisar deles: “Por isso, aqui no Amapá, vote em Waldez Góes, que está com Dilma”.

Em seu site e em material de campanha, Waldez aparece ao lado de Lula, Dilma Rousseff e do governador do Amapá, Pedro Paulo Dias (PP), que também foi preso na operação da PF.

Sigilo fiscal de genro de Serra também foi violado com procuração falsa, diz PF

Fausto Macedo

A Polícia Federal constatou em investigação sobre a quebra de sigilos na Receita Federal que o genro do candidato José Serra, o empresário Alexandre Bourgeois, teve seus dados fiscais acessados com uma procuração falsa apresentada por Antonio Carlos Atella Ferreira.

Atella deu entrada com a procuração na delegacia da Receita Federal em Santo André no dia 29 de setembro de 2009, mesmo dia em que pediu acesso aos dados fiscais de Verônica Serra, também com procuração falsa.

Dilma mantém vantagem sobre Serra, indica Datafolha

Jair Stangler

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, manteve a vantagem sobre o tucano José Serra na pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira, 10. A petista aparece com os mesmos 50% registrados na semana anterior. Já Serra oscilou de 28% para 27%. Marina chegou a 11%.

Sábado (11/09)

1109-480

Erenice Guerra é suspeita de cobrar propina em contrato do governo federal

Conhecida por ser “escudeira”, “braço direito” e, claro, “companheira” da presidenciável Dilma Rousseff, a advogada Erenice Guerra, sucessora da candidata petista na Casa Civil, montou no Palácio do Planalto uma central de lobby familiar-partidário que cobra de empresários interessados em fazer negócios com o governo uma taxa de propina de 6%.

Reportagem publicada pela revista Veja desta semana revela que o filho de Erenice, Israel Guerra, que até pouco tempo atrás perambulava pela Esplanada em cargos comissionados de menor importância, tornou-se, à sombra da mãe-ministra, um próspero consultor de negócios, eufemismo de lobista.

No novo figurino, segundo a reportagem, Israel operou, pelo menos, a concessão de um contrato de R$ 84 milhões para um empresário do setor aéreo com negócios com os Correios. Chamada de “taxa de sucesso”, a propina foi estimada em R$ 5 milhões e teria servido em parte para “saldar compromissos políticos”.

‘Ministério da Casa Civil é o centro da maracutaia no Brasil’, afirma Serra

Rubens Santos

Durante visita a Goiânia, onde participou de comício seguido de carreata na capital e em duas cidades do interior (Piracanjuba e Morrinhos), José Serra (PSDB) criticou duramente a Casa Civil do governo Lula: “A Casa Civil tem sido um foco de problemas para o Brasil. Eu lembro que no caso do mensalão, na época do José Dirceu, foi o centro do escândalo. Depois esteve a Dilma, que deixou seu braço direito, uma pessoa muito próxima, e hoje de novo, o centro da maracutaia é a Casa Civil”.

Tudo o que sabemos sobre:

BrasilEleiçõessemana política

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.