A semana política: Dilma amplia vantagem sobre Serra e as quebras de sigilos na Receita
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A semana política: Dilma amplia vantagem sobre Serra e as quebras de sigilos na Receita

Camila Tuchlinski

28 de agosto de 2010 | 14h40

Rodrigo Alvares

Segunda-feira (23/08)

MERC15

“Dilma veio aqui fazer um compromisso com vocês”, afirmou Lula. Fotos: Hélvio Romero/AE

Desorganização em evento com Dilma no ABC irrita Lula

Rodrigo Alvares

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reclamou da estrutura montada para evento de panfletagem na fábrica da Mercedes Benz em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, no início da manha desta segunda-feira, 23. “A gente não queria uma estrutura dessas. A ideia não era fazer um comício aqui.”

Lula destacou a “importância” de trazer a candidata do PT a presidente para a porta de uma fábrica, onde a história política dele começou. “Era importante Dilma pegar energia aqui, na porta de uma fábrica, onde tudo começou. Essa é uma imagemde compromisso. Ela (Dilma) sabe o grau de confiança que eu tenho nela, ela sabe o grau de confiança que tem em mim, mas ela veio aqui fazer um compromisso com vocês”, afirmou o presidente, visivelmente irritado.

Campanha de Serra vai liberar R$ 10 milhões para propaganda de rua

Rodrigo Alvares

Depois do resultado do último Datafolha, a cúpula da campanha da José Serra (PSDB) decidiu atender aos apelos de aliados nos Estados para liberar cerca de R$ 10 milhões para propaganda de rua – cartazes, adesivos e cavaletes – tendo em vista “colocar a cara de Serra nas ruas”, de acordo com fonte ligada à candidatura.

Ontem, após uma reunião de emergência com os principais nomes da coordenação na noite de ontem, os tucanos disseram que a arrecadação está dentro do previsto e o montante de R$ 3,6 milhões, divulgado como total arrecadado até início do mês, ainda não incluía valores do diretório nacional que deveriam ser repassados para a campanha.

Terça-feira (24/08)

Debate Estadão Gazeta a Governador de São Paulo

Os candidatos Geraldo Alckmin, Aloizio Mercadante, Celso Russomanno, Paulo Skaf, Fabio Feldmann e Paulo Bufalo participaram do debate realizado por O Estado de S. Paulo e TV Gazeta.

CNT/Sensus: Dilma amplia vantagem sobre Serra

Carol Pires

A vantagem da candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, sobre o adversário do PSDB, José Serra, aumentou de 10 para 17,9 pontos percentuais de acordo com a pesquisa Sensus divulgada nesta terça-feita, 24, pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT). Dos pontos válidos (excluídos brancos e nulos), Dilma soma 55,3% dos votos, contra 44,7% dos demais candidatos somados. De acordo com esses números, a petista venceria a eleição em primeiro turno.

Presidenciáveis usam tempo na TV para contar biografia

Os três candidatos mais bem colocados na corrida presidencial dedicaram boa parte de seus primeiros programas no horário nobre da TV para mostrar aos eleitores suas biografias. O item foi predominante nas propagandas eleitorais das candidatas Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PV) – 41% e 33,3% de seus tempos, respectivamente. O presidenciável José Serra (PSDB) foi o que menos usou seu programa para falar de suas origens – 20%.

Quarta-feira (25/08)

2508-480

Receita vasculhou sigilos de mais 3 pessoas ligadas a Serra e FHC

Leandro Colon e Rui Nogueira

Investigação interna da Receita Federal revela que acessos suspeitos aos sigilos fiscais de adversários do PT foram além do manuseio dos dados do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge. Os documentos mostram que, no mesmo dia, de um mesmo computador e em sequência, servidores do Fisco abriram os dados sigilosos de Eduardo Jorge e de mais três pessoas ligadas ao alto comando do PSDB. São elas: Luiz Carlos Mendonça de Barros, Ricardo Sérgio de Oliveira e Gregório Marin Preciado.

CPI: mensalão financiou eleições de Roriz e Arruda

Carol Pires

O “mensalão do DEM” começou em Brasília há dez anos, no então governo de Joaquim Roriz (PSC), hoje candidato a um quinto mandato de governador, afirma o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Corrupção da Câmara Legislativa do Distrito Federal, aprovado na tarde de hoje. O documento não só afirma que a “podridão” do ex-governo de José Roberto Arruda “saiu das entranhas” de Roriz como diz que a eleição de ambos – Roriz em 2002 e Arruda em 2006 – “foram financiadas por recursos públicos desviados por esse esquema de corrupção”.

Dilma Rousseff deve rever participação em debates

Andrea Jubé Vianna

A coordenação da campanha da presidenciável Dilma Rousseff (PT) começou a avaliar a participação da candidata nos próximos debates. Nos bastidores, a percepção é de que o excesso de exposição pode prejudicar seu desempenho na disputa. Na condição de líder das pesquisas, Dilma estará cada vez mais exposta aos ataques dos adversários. Com o placar favorável nesse segundo tempo da partida, estrategistas da campanha acham melhor lidar com as críticas à ausência dela nos debates e com a pecha de “fujona” que encarar os riscos de muitos confrontos com os outros candidatos.

Quinta-feira (26/08)

2608-480

Quebras de sigilos provocam guerra de ações entre PT e PSDB

Depois de o PSDB decidir ingressar no Supremo Tribunal Federal (STF) e na Procuradoria Geral da República (PGR) com pedido de apuração do crime de violação de sigilo fiscal de tucanos, a direção do PT afirmou, em entrevista coletiva, que vai processar por injúria e difamação o candidato tucano à Presidência da República, José Serra. “Isso foi um caso de espionagem para a campanha eleitoral. A Dilma deve uma explicação ao País”, disse Serra na quarta-feira, 25, durante caminhada em Natal (RN).

Segundo o president nacional do PT, José Eduardo Dutra, o PT também pedirá à Polícia Federal que apure como o vazamento dos dados foi parar na imprensa. Ao anunciar os processos contra Serra, Dutra disse que tanto o principal adversário de Dilma quanto o PSDB têm “indignação seletiva” e constroem “factóides”.

Agência que violou sigilo de tucanos acessou dados de Ana Maria Braga

Leandro Colon

O computador que violou os sigilos fiscais de quatro tucanos também foi usado para abrir e imprimir a declaração de renda da apresentadora Ana Maria Braga, da Rede Globo. Os dados de Ana Maria foram acessados às 11h15 do dia 16 de novembro do ano passado no computador da servidora Adeildda Ferreira Leão dos Santos, na delegacia da Receita Federal em Mauá (SP).

Semanas antes, no dia 8 de outubro, o mesmo equipamento acessou os dados do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, e de três pessoas ligadas ao alto comando do partido, conforme revelou O Estado de S. Paulo.

Datafolha: Dilma avança e está com 49%; Serra cai para 29%

A pesquisa do Datafolha/TV Globo divulgada na madrugada desta quinta-feira, 26, aponta a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, com 49% das intenções de voto e está com 20 pontos de vantagem sobre José Serra, do PSDB, que está com 29%. O levantamento foi realizado nos dias 23 e 24 de agosto, com 10.948 entrevistas feitas em todo o Brasil.

Sexta-feira (27/08)

2708-480

Versão de crime comum no caso de EJ contraria inquérito da PF

Vannildo Mendes

A declaração da cúpula da Receita Federal de que o vazamento de dados fiscais do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge Caldas Pereira, foi um crime comum – não político –  conflita com revelações colhidas pela Polícia Federal.

Ouvidos no inquérito da PF esta semana, duas testemunhas – o próprio Eduardo Jorge e o jornalista Leonardo de Sousa, da Folha de S. Paulo, autor da primeira reportagem sobre o caso – confirmaram que os dados foram vazados por integrantes do comitê de pré-campanha da candidata à Presidência Dilma Rousseff (PT).

Sérgio Guerra e Eduardo Campos fazem propaganda lado a lado nas ruas do Recife

Rodrigo Alvares, enviado especial a Recife

Os canteiros das principais avenidas do Recife mostram cavaletes do presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra – que concorre à Câmara dos Deputados -, ao lado de propaganda do atual governador e candidato à reeleição, Eduardo Campos (PSB). Guerra é coordenador da campanha do presidenciável tucano José Serra, enquanto Campos é um dos principais cabos eleitorais da petista Dilma Rousseff no Nordeste.

guerra2

Guerra e Eduardo Campos lado a lado em cavaletes próximos ao viaduto Tancredo Neves. Foto: Rodrigo Alvares/AE

O senador procurou o blog para comentar a localização dos cavaletes. “É uma fraude total”, disse sobre as especulações de que estaria usando a imagem de Eduardo Campos para fazer campanha. “Aqui tem milhares de placas em todos os lugares, tem fotografia minha nos calavaletes ao lado do Serra e do Jarbas. Eles mudam os cavaletes de lugar todos os dias.”

‘Ainda tenho caneta para fazer miséria neste País’, diz Lula

Angela Lacerda e Rodrigo Alvares, enviado especial a Recife

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse na noite desta sexta-feira, 27, que “ainda tem caneta para fazer miséria neste País”, ao lembrar que tem quatro meses e alguns dias de governo. Ele fez a afirmação depois de ouvir discursos em tom de despedida feitos durante comício realizado no Marco Zero, centro histórico do Recife, junto com a candidata Dilma Rousseff. “Alguns companheiros estão falando tanto, mas matariam para ser presidente por um dia”, afirmou. Previsto para reunir 10 mil pessoas, o ato teve a participação de duas mil pessoas, de acordo com a Polícia Militar. A maioria, militância paga.

Sábado (28/08)

2808-480

Dilma abre 24 pontos de vantagem sobre Serra na pesquisa Ibope

Daniel Bramatti

Após dez dias de exposição dos candidatos à Presidência no horário eleitoral, a petista Dilma Rousseff abriu 24 pontos de vantagem sobre o tucano José Serra. Se a eleição fosse hoje, ela venceria no primeiro turno, com 59% dos votos válidos.

Segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo, Dilma chegou a 51% das intenções de voto, um crescimento de oito pontos porcentuais em relação ao levantamento anterior do mesmo instituto, feito às vésperas do início da propaganda eleitoral.

Desde então, Serra passou de 32% para 27%. Marina Silva, do PV, oscilou de 8% para 7%. Somados, os adversários da petista têm 35 pontos, 16 a menos do que ela.

A performance de Dilma já se equipara à de Luiz Inácio Lula da Silva na campanha de 2006. Na época, no primeiro turno, o então candidato petista teve 59% dos votos válidos como teto nas pesquisas.

Tudo o que sabemos sobre:

BrasilEleiçõessemana política

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.