As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A semana política: candidatos sofrem com truculência nas ruas e Ibope mostra crescimento de Dilma

Camila Tuchlinski

22 de outubro de 2010 | 19h07

Rodrigo Alvares

Segunda-feira (18/10)

PANFLETO8_1.jpg

Jose Eduardo Cardozo e Edinho Silva durante coletiva sobre o panfleto que criticava a candidata Dilma Rousseff. Foto: Marcio Fernandes/AE

Sócia de gráfica que imprimiu panfletos anti-Dilma em SP é filiada ao PSDB

Rodrigo Alvares

Em coletiva convocada nesta segunda-feira para falar sobre os panfletos anti-Dilma apreendidos ontem pela Polícia Federal em São Paulo, o secretário-geral nacional do partido, José Eduardo Cardozo, afirmou que “há indícios veementes de que esses panfletos tenham sido feitos pela campanha do nosso oponente”. O coordenador acrescentou que cerca de 20 milhões de panfletos estavam para ser distribuídos. Além disso, o presidente do PT-SP, Edinho Silva, afirmou que a oposição tem organizado ações de telemarketing contra Dilma Rousseff desde o último sábado, em Minas Gerais.

Dos 20 milhões de panfletos, 1,1 milhão foi impresso na gráfica Pana Editora. Arlety Satiko Kobayashi detém 50% dos ativos da empresa e é irmã do coordenador de infraestrutura da campanha de José Serra, Sérgio Kobayashi. Arlety é também filiada ao PSDB desde 1991, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral, e funcionária da Assembleia Legislativa de São Paulo.

Serra diz que caso dos panfletos é ‘factoide’

André Mascarenhas

Em entrevista na tarde de hoje, em São Paulo, o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, considerou ‘irrelevante’ o fato de um dos donos de uma gráfica contratada para produzir panfletos anti-Dilma ser filiado ao seu partido. Segundo ele, a relação entre a Diocese de Guarulhos, que teria contratado a impressão de 1,1 milhão de panfletos criticando a candidata do PT, Dilma Rousseff, e a empresa Pana Editora Ltda é “perfeitamente lícita”.

‘Não concordo com a contratação de parentes e amigos’, afirma Dilma sobre Erenice ao JN

Rodrigo Alvares

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, afirmou nesta segunda-feira, em entrevista ao Jornal Nacional (TV Globo) que “Erros e pessoas que erram acontecem em todos os governos. O que diferencia um governo de qualquer outro é a atitude deste governo em relação ao erro. No caso da Erenice, eu não concordo com a contratação de parentes e amigos” ao ser questionada sobre o escândalo envolvendo a ex-ministra Erenice Guerra – sua sucessora na Casa Civil.

A petista aproveitou para alfinetar seu adversário, o tucano José Serra: “Há uma diferença entre nós e o meu adversário. O meu adversário tem uma acusação gravíssima que é a do Paulo Vieira de Souza, que está sendo investigado pela Polícia Federal e ele cuidava das mais importantes obras do Estado de São Paulo. Até agora, não houve uma investigação nem um processo. Essa é a diferença entre quem investiga e pune e quem acoberta”.

Terça-feira (19/10)

BLAT5.jpg

Promotor José Carlos Blat (centro), durante depoimento na CPI da Bancoop na Assembleia Legislativa. Foto: Marcio Fernandes/AE

Promotor denuncia tesoureiro do PT por crime de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro

Fausto Macedo

O promotor de Justiça José Carlos Blat acaba de anunciar perante a CPI da Bancoop na Assembleia Legislativa de São Paulo que denunciou criminalmente à Justiça o tesoureiro do PT João Vaccari Neto por supostos crimes de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Blat informou aos deputados da Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga fraudes na Cooperativa Habitacional dos Bancários de SP, criada por um núcleo do PT na década de 1990. Ele também requereu a quebra de sigilo bancário e fiscal de Vaccari. A denúncia do promotor foi protocolada às 10h57 e será analisada pela 5ª Vara Criminal da capital paulista.

Vaccari foi diretor-administrativo da Bancoop e presidiu a cooperativa até março passado, quando afastou-se do cargo para assumir a função de tesoureiro do PT. O promotor investiga o caso Bancoop desde 2007. Na denúncia que apresentou hoje à Justiça, ele aponta “negócios escusos da Bancoop, durante a gestão Vaccari neto, inclusive relacionados a campanhas eleitorais”.

No JN, Serra diz que PT usa denúncia contra Paulo Preto para ‘nivelar todo mundo’

André Mascarenhas

Em entrevista ao Jornal Nacional na noite desta terça-feira, 19, o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, atribuiu a adversários as denúncias contra o ex-diretor da Dersa Paulo Viera de Souza, o Paulo Preto, e classificou as acusações contra sua campanha como uma tentativa do PT em se “niverlar” por meio de escândalos.

Perguntado sobre a declaração de Paulo Preto, de que “não se abandona um líder ferido na estrada”, Serra disse que não houve desvio de dinheiro em sua campanha, e acrescentou que, se houvesse, ele que seria a vítima. “Sempre existe num partido gente que gosta de um, gente que não gosta do outro. O fato é que não houve o essencial, que é o desvio de dinheiro na minha campanha. Porque eu saberia. Em todo caso, nós seríamos a vítima”, disse.

Ato de juristas e intelectuais a favor de Dilma Rousseff lota teatro de faculdade católica

Rodrigo Alvares

manifesto_dilma_leonardo_soares_ae_19102010.jpg

Anunciado como um ato de intelectuais e juristas em prol da candidatura Dilma, participaram do evento essencialmente políticos e aliados históricos do PT. Foto: Leonardo Soares/AE

Em um ato organizado por intelectuais e juristas de São Paulo em apoio à candidatura da petista Dilma Rousseff à Presidência da República, o auditório do teatro da PUC-SP na noite desta terça-feira ficou lotado de militantes e aliados de primeira hora da petista. Presente ao evento, o ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos afirmou que “os juristas e intelectuais que estão com Lula, estão com Dilma”.

Mais tarde, no palco, Thomaz Bastos disse que “Dilma é um projeto cuja causa final é a erradicação da miséria no Brasil. Representados por Michel Temer – candidato a vice-presidente na chapa da petista – e pelo coordenador da campanha José Eduardo Martins Cardozo, mais de 100 juristas tiveram um manifesto lido no palco. “A lei de aborto não impede o aborto. O que impede aborto é política social, é Bolsa Família!”, disse Frei Betto.

Quarta-feira (20/10)

serra_TASSOMARCELOAGENCIAAE1.jpg

Serra disse a fotógrafos que não sabia o que o havia atingido. Foto: Tasso Marcelo/AE

Serra compara PT a grupo nazista em caminhada tumultuada no RJ

Luciana Nunes Leal, da Sucursal do Rio

O candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, comparou o PT aos nazistas e os acusou pelo tumulto ocorrido entre militantes petistas e os cabos eleitorais tucanos durante caminhada no calçadão de Campo Grande, no Rio. “Foi a tropa de choque do PT. Eles são a tropa de choque da mentira e da violência. Não sei se é previsto ou não, mas eles fazem no piloto automático. Lembra a tropa de assalto dos nazistas? É tropa de choque, muito típico de movimentos fascistas como eles são”, disse o candidato, que se abrigou em uma farmácia.

Militantes do PSDB formaram um cordão de isolamento para prosseguir com a caminhada e alguns comerciantes fecharam as portas. No fim, Serra foi cercado por petistas e levou as mãos à cabeça.

Assessores do tucano afirmaram que ele foi atingido por uma bandeirada. Não havia ferimento aparente. Segundo pastor Paulo Cesar Gomes, que acompanhava a caminhada, afirmou que o candidato foi atingido por um rolo de papelão utilizado para armazenar material de campanha. Depois da confusão, Serra disse a fotógrafos que não sabia o que o havia atingido, mas que ficou “grogue” com a pancada.

Após série de carreatas, Dilma repudia agressão a Serra no Rio

Rodrigo Alvares

A candidata petista à Presidência da República, Dilma Rousseff, repudiou na tarde desta quarta-feira a agressão sofrida pelo adversário tucano José Serra no Rio de Janeiro. Depois de fazer um périplo por cidades de São Paulo, Dilma fez, em Ferraz de Vasconcelos, um apelo para que a militância aja sem ódio e com fraternidade.

“Quero deixar claro da minha parte, que o PT repudia esses atos de violência”, e acrescentou que o partido no Rio já emitiu nota contra o que aconteceu. “Uma campanha é um momento de festa democrática, porque nós não somos um povo deprimido. Então, não é possível que a gente tenha campanhas difamatórias, nem manipuilando, e eu quero fazer um apelo à militância: que ela sobretudo se paute pelo princípio da solidariedade e fraternidade. Nós temos de dar exemplo. Repito que lamento o que aconteceu. Não faço campanha no submundo, não divulgo panfletos apócrifos, não divulgo mentiras nem calúnias”, finalizou.

Ibope mostra Dilma com 56% dos votos válidos, contra 44% de Serra

Daniel Bramatti

Em uma semana, a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, ampliou de seis para onze pontos porcentuais sua vantagem em relação ao tucano José Serra, segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo. A petista tem 51% das intenções de voto, contra 40% do adversário.

Em relação à sondagem anterior, divulgada no último dia 13, Dilma oscilou dois pontos para cima, enquanto Serra caiu três. A pesquisa atual, com entrevistas entre os dias 18 e 20, capta apenas parcialmente os efeitos das entrevistas dos dois presidenciáveis no Jornal Nacional, da TV Globo, mas foi feita integralmente após o debate do último domingo, exibido pela Rede TV.

Quinta-feira (21/10)

Polêmica sobre agressão sofrida por Serra repercute na web

Bruno Siffredi

A agressão que o candidato do PSDB, José Serra, afirma ter sofrido na tarde de quarta-feira, 20, durante a caminhada na Zona Oeste do Rio de Janeiro, está ganhando grande repercussão na internet. Por volta do meio dia, o assunto já havia alcançado os primeiros lugares nos tópicos mais comentados do Twitter mundial.

A propaganda eleitoral do presidenciável tucano transmitida nesta quinta-feira, 21, usou imagens da confusão nas ruas do Rio para criticar a militância do partido da rival, Dilma Rousseff (PT).

Milhares de mensagens publicadas no Twitter, usando a hashtag #serrarojas, contestam a versão da campanha do tucano. Trechos da reportagem produzida pela equipe do SBT, que mostra um objeto que aparenta ser leve atingindo a cabeça de Serra, estão sendo reproduzidos no site de vídeos Youtube. Assista:

‘Não sou o Rojas para ficar fazendo firula com isso’ afirma Dilma sobre confusão no PR

Lucas Azevedo, especial para o Estadão, de Porto Alegre (RS)

Ainda no Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, a candidata petista Dilma Rousseff comentou o episódio em Curitiba pela manhã, quando, por pouco, não foi acertada por uma bexiga com água. “Não sou o Rojas para ficar fazendo firula com isso porque, ao contrário dele, me esquivei”.

Dilma referia-se ao goleiro Rojas do Chile, que Lula comparou ao também candidato à Presidência da República José Serra (PSDB). O ex-goleiro Roberto Rojas fingiu ter sido atingido por um foguete no Maracanã, suspendendo a partida entre Brasil e Chile pelas eliminatórias em 1989.

Episódio da agressão a Serra vira jogo na internet

José Orenstein

Na internet, ninguém perde tempo: a história já virou um game virtual. No joguinho, o internauta tem que acertar uma bolinha de papel na figura recortada de Serra, que se esquiva das investidas. Ao fim de 30 segundos, um resultado de tomografia indica os acertos . Clique na imagem para jogar.

Sexta-feira (22/10)

caminhao.JPG

Secretário-geral do partido no RS, Carlos Callegaro, negou que a entrega fizesse parte da campanha. Foto: Bruno Philipsen/AE

Trio é preso em flagrante no RS por suspeita de compra de votos com caminhão estampado com propaganda de Serra

Rodrigo Alvares

Dois homens e uma mulher foram presos em flagrante ontem pela Polícia Federal pela suspeita de distribuição de alimentos com a finalidade de comprar votos de eleitores no município de Coxilha – norte do Rio Grande do Sul. Eles faziam a entrega das sacolas em um caminhão com adesivos e faixas da campanha do candidato à presidência José Serra (PSDB). O delegado do caso, Celso André Nenê Santos, afirmou ao Radar Político que os homens detidos admitiram em depoimento que o caminhão saiu do comitê eleitoral do PSDB em Passo Fundo. Eles também afirmaram que a entrega dos alimentos tinha intenções eleitorais e seguiam ordens da assistente social – que não teve o nome revelado e optou por só falar em juízo.

O Ministério Público recebeu uma denúncia de que estaria havendo compra de votos e comunicou o fato à Polícia Rodoviária Estadual de Coxilha, que abordou o caminhão e conduziu os envolvidos e o veículo até a Polícia Federal de Passo Fundo.

PT do Rio prepara nota para orientar militantes a evitar confronto com tucanos

http://blogs.estadao.com.br/radar-politico/2010/10/22/pt-do-rio-prepara-nota-para-orientar-militantes-a-evitar-confronto/

Luciana Nunes Leal, do Rio

O PT do Rio de Janeiro prepara uma nota, que será divulgada até o fim da tarde, com orientação aos militantes para que evitem atividades eleitorais na orla da zona sul carioca na manhã do domingo. A iniciativa é uma tentativa de evitar possíveis confrontos de petistas com aliados de José Serra (PSDB), que fará caminhada na Praia de Copacabana a partir das 10h no domingo. Na nota, o PT fluminense vai convocar os simpatizantes da campanha de Dilma Rousseff a participarem da carreata da petista com o presidente Lula, que acontecerá também na manhã de domingo, na zona oeste.

Exclusivo: leia depoimento de jornalista e despachante que violaram sigilos fiscais

Leandro Colon

O Estado teve acesso à integra do depoimento prestado no dia 15 passado pelo jornalista Amaury Ribeiro Jr, que encomendou e financiou a violação dos sigilos fiscais do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, da filha e do genro do presidenciável José Serra, além de outros tucanos. No depoimento, o jornalista detalha seu envolvimento no caso.

A reportagem obteve ainda os dois depoimentos dados pelo despachante Dirceu Garcia à Polícia Federal. Ele revelou aos policiais detalhes das negociações com Amaury Ribeiro para quebrar os sigilos dos tucanos em 2009. Contou que recebeu R$ 12 mil pelo serviço e mais R$ 5 mil no mês passado, este dinheiro recente enviado para que ele não contasse nada sobre o caso.

Tudo o que sabemos sobre:

BrasilEleiçõessemana política

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: