As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A repercussão internacional da polêmica compra da refinaria de Pasadena

Lilian Venturini

20 de março de 2014 | 23h16

The Wall Street Journal

O jornal americano aborda a nota divulgada pela presidente Dilma Rousseff sobre a compra da refinaria de Pasadena pela Petrobrás e afirma que o escândalo poderá se refletir na campanha pela reeleição. “Dilma culpou um ex-executivo da empresa afirmando que houve falha na informação dos
conselheiros sobre o negócio em 2006”, afirma o jornal. O título da edição digital é
“Presidente do Brasil defende papel em mau negócio feito
pela Petrobrás”.

Bloomberg

A agência salienta que a presidente brasileira “enfrenta investigação do Congresso em negócio da Petrobrás”, referindo-se à proposta de CPI sobre o caso. Destaca também o ataque da oposição a “um erro que custou mais de US$ 1 bilhão”.

Nasdaq.com

O site destaca que a presidente brasileira atribuiu a um relatório “defeituoso” a compra da refinaria no Texas e considera o caso “uma grande dor de cabeça” para o governo brasileiro.

Clarín

O jornal argentino afirma que a Petrobrás “entrou no centro de uma tormenta de dimensões e impacto imprevisíveis”. A publicação destaca também a investigação “sobre superfaturamento na compra de uma refinaria”.
De acordo com o diário argentino, “Dilma, que converteu o ‘bom gerenciamento’ do Estado em um símbolo de seu governo, está agora sob a mira da oposição que questionará sua suposta ineficiência a partir desse caso”. O episódio poderia “trazer complicações” em um ano eleitoral.

Mais conteúdo sobre:

Dilma RousseffPasadenaPetrobrás