As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A campanha na blogosfera

Camila Tuchlinski

07 Julho 2010 | 19h34

Rodrigo Alvares

O segundo dia da campanha dos candidatos à Presidência da República teve o Estado de São Paulo como palco. O blogueiro Reinaldo Azevedo comentou sobre o discurso de Dilma Rousseff (PT), no qual a petista criticou a gestão tucana na Educação:

“Vejam como tudo faz sentido. O partido que enviou aquele programa ultra-radical ao TSE, rubricado por Dilma, comandava o sectarismo doidivanas de sindicalistas que queimaram livros em praça pública e buscavam o confronto com a polícia. O PT estava preparando o picadeiro para que Dilma fizesse agora esse discurso. O sindicato atuava, como evidencia a multa que levou da Justiça Eleitoral, de olho nas eleições.

Resumo: petistas e sindicalistas, que são a mesma coisa nesse caso, cassavam dos pobres o direito à escola para fazer campanha eleitoral.”

– Reinaldo Azevedo

Em seu blog, Ricardo Noblat destacou matéria de Flávio Freire na qual José Serra (PSDB) acusou a petista de “não ter ideias próprias”:

“Eu também preciso, mas eu tenho as ideias. Não saio de amanhã e o marqueteiro me diz ‘hoje você fala mal do MST, hoje você fala bem do MST’. Ou então ‘hoje você defende juros siderais, amanhã você você defende redução de juros’. Isso é complicado e só se explica por uma orientação externa”.

– José Serra

No estadão.com.br, João Bosco Rabello comenta a reta final das atividades no Senado e o jogo de interesses eleitorais:

Líderes do Senado engordam pauta em causa própria

O trio de líderes com poder de decisão sobre a pauta de votações do Senado elaborou, em conjunto, uma relação que atende a interesses  eleitorais específicos de cada um. Os projetos incluídos na pauta são verdadeiras bandeiras eleitorais de cada um em seus Estados.

O líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), que concorre à reeleição, incluiu na pauta a proposta de emenda à Constituição (PEC) 17/2010, que reestrutura o quadro de servidores públicos civis e militares dos ex-Territórios de Roraima e do Amapá.

Isso significa que os funcionários, hoje do quadro de servidores de seus Estados, passarão a fazer parte da folha de pagamentos da União.”

– João Bosco Rabello

Nos Estados

Rio Grande do Sul

Corte do teto é legal/Rosane de Oliveira (Zero Hora)

“Entrevistado há pouco no Gaúcha Atualidade, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, deu uma boa notícia ao contribuinte: é perfeitamente legal o corte dos salários que excedem o teto previsto na Constituição. Gilmar Mendes disse que os julgamentos do STF têm sido favoráveis ao corte dos supersalários.”

– Rosane de Oliveira

Mais conteúdo sobre:

blogsEleiçõespolítica