O Povo: PSB barra aliado de Novais e gera nova crise

Lilian Venturini

06 de julho de 2012 | 11h18

Por O Povo

Em mais um episódio da disputa entre grupos políticos que coexistem no PSB do Ceará, a executiva municipal do partido barrou a pretensa candidatura a vereador do sindicalista Almir Sousa (PSB), que é ligado ao ex-presidente do PSB de Fortaleza, Sérgio Novais, e integra seu grupo dentro do partido. Ontem, a ata da convenção do PSB foi entregue à Justiça Eleitoral sem incluir o nome do sindicalista entre os 48 candidatos a vereador. A informação foi confirmada pelo presidente municipal do PSB, Karlo Kardozo.

A rejeição à candidatura de Almir foi o estopim que levou ao bate-boca entre Sérgio e o ex-deputado federal Ciro Gomes (PSB) na noite da última quarta-feira, durante reunião do PSB nacional. Segundo Kardozo, Almir foi rejeitado por decisão da executiva municipal, reunida na sexta-feira passada, considerando “acusações” que o sindicalista teria promovido contra membros do partido nos últimos meses. A escolha pela rejeição foi unânime. Para Sérgio, trata-se de perseguição do grupo liderado pelo presidente do partido, Cid Gomes (PSB) – grupo este que, em setembro do ano passado, retirou-o da presidência do PSB em Fortaleza com o apoio de uma dissidência da chamada ala histórica, da qual Novais faz parte.

No início da madrugada de ontem, depois do bate-boca em Brasília, Ciro teria prometido ao secretário nacional sindical do PSB, Joilson Cardoso, que o problema estaria resolvido até o meio dia de ontem, segundo relato de Sérgio ao O POVO. A promessa teria sido feita após conversas de Ciro com Cid e com o deputado José Albuquerque (PSB), por telefone.

Ontem, Kardozo disse que Almir não havia se aproximado do partido para pedir legenda e viabilizar sua candidatura a vereador. “O PSB não possui nenhum candidato nato. Somente quando estava já com a chapa fechando ele nos procurou”, disse.

Antes da reunião na sexta-feira da semana passada, o PSB de Fortaleza já havia decidido rejeitar a candidatura de Almir, segundo Kardozo. Na última sexta, a executiva no partido se reuniu, segundo o presidente, com o intuito de reavaliar a posição que já havia sido tomada – considerando, segundo ele, o “apelo” da direção nacional do partido e do próprio Almir. “Ele teve oportunidade de falar durante a reunião, mas o voto da executiva foi pela rejeição”.

Em reação à perda da legenda , o grupo de Sérgio, intitulado “Esquerda Socialista” se reune amanhã para decidir que candidaturas a prefeitos e a vereadores receberão seu apoio nestas eleições.

Leia mais em O Povo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.