O Povo: “Houve excessos individuais, que são lamentáveis”, admite Roberto Cláudio sobre agressão a professores

Lilian Venturini

11 de setembro de 2012 | 11h44

Por O Povo

O candidato a prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PSB), negou que tenha partido dele qualquer ordem para bater em professores ou em quem quer que seja. Admitiu, contudo, que houve excessos por parte da segurança da Assembleia Legislativa. “Houve excessos individuais, que são lamentáveis”, apontou. Ele é o convidado desta terça-feira, 11, da série de entrevistas A Hora da Verdade, no Grupo de Comunicação O POVO.

Roberto Cláudio citou episódios em que seguranças recentemente também entraram em confronto com manifestantes que tentaram invadir a residência oficial da presidente da República. Ele apontou que também ali houve excesso, mas descartou, igualmente, que a determinação tenha partido de Dilma Rousseff (PT).

Ele também falou de episódio em que a Guarda Municipal (o candidato citou a AMC) lançou spray de pimenta contra professores na Câmara. Roberto Cláudio apontou que não acredita que tenha sido ordem da prefeita Luizianne Lins (PT).

O candidato criticou, porém, o uso do episódio da Assembleia “de forma manipulada”, segundo ele.

Ao falar sobre a educação municipal, ele afirmou que falta dinheiro porque a Prefeitura gasta demais com terceirizados, que, nas escolas, seriam pouco necessários. E assegurou: “Na minha gestão, pode faltar dinheiro para outra coisa. Para educação, não vai faltar”.

Leia mais em O Povo

Tudo o que sabemos sobre:

candidatosCearáeleições 2012Fortaleza

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.