Estado de Minas: PSB de Lacerda recusa aliança com PT e PSDB

Lilian Venturini

28 de junho de 2012 | 11h05

Por Estado de Minas

A decisão está tomada. O PSB, do prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, não vai se coligar nem com PT nem com PSDB na chapa de vereadores. Mesmo assim, os socialistas evitaram bater o martelo na reunião da noite dessa quarta-feira para não criar arestas com os petistas, que, conforme foi dito no encontro, são os que mais têm pressionado pela aliança. “ Nós entendemos que o PT já está muito bem contemplado com a vice-prefeitura e com os cargos no governo”, ressaltou o presidente municipal do partido, João Marcos Lobo. Com o PSDB, as negociações já estão adiantadas e incluem a presidência da Câmara.

A resolução aprovada nessa quarta-feira é genérica: “O congresso municipal somente aprovará coligação proporcional que fortaleça o PSB e a aliança majoritária, e que favoreça a governabilidade”. O texto servirá de recomendação para a convenção que acontece no sábado. Os socialistas vão esticar a corda para não perder o apoio dos petistas até o último minuto. Em vários momentos, João Marcos demonstrou a insatisfação do partido com o posicionamento dos petistas. “Como eu vou defender a aliança na proporcional se parte da bancada do PT faz críticas abertas ao prefeito?”, questionou. “A gente tem afinidades ideológicas com o PT, estamos na base nacional, mas jamais vamos ficar na condição de subalternos”, ressaltou, acusando o aliado de ser intransigente.

Os vereadores fizeram coro às reclamações do presidente. “Não podemos ceder neste momento, depois de vários meses de negociações e batalhas”, defendeu Daniel Nepomuceno. O vereador Alexandre Gomes apoiou o adiamento da decisão. “Dentro do nosso coração todos sabemos que não vai haver coligação, mas temos que ter humildade”, disse.

Leia mais em Estado de Minas

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.