Diário de Pernambuco: Eduardo diz que decidirá candidatura com aliados

Lilian Venturini

13 de junho de 2012 | 10h56

Por Diário de Pernambuco

O governador Eduardo Campos (PSB) rompeu o silêncio e decidiu falar sobre a sucessão do Recife. Em entrevista após o lançamento do anuário sobre sustentabilidade “O Estado do Mundo” da ONG World Watch Institute (WWI), o socialista disse que procurará todos os partidos da Frente Popular “que tiveram paciência de esperar o PT” para tomar uma decisão. Eduardo deu a entender que não apoiará o candidato do PT à prefeitura da capital, notícia que circula nos bastidores e antecipada pelo Diario. o

“Para ter unidade, é preciso estar unido dentro de casa. E o PT não está”, declarou na entrevista. O governador ressaltou que não vai anunicar nomes ainda, mas que os quatro secretários exonerados na semana passada têm credibilidade e são alternativas socialistas para concorrer à prefeitura. Os secretários são: Geraldo Júlio (Desenvolvimento Econômico), Danilo Cabral (Cidades), Tadeu Alencar (Casa Civil) e Sileno Guedes (Articulação Social.

Eduardo também afirmou que conduzirá o processo sucessório do Recife. “Numa eleição presidencial, você procura o presidente para saber como ele conduzirá o processo. De governador, é o governador que conduz o processo. Para prefeito, é o prefeito. Diante da crise petista, procurei o prefeito João da Costa e disse a ele que o PT perdeu o direito de ser o condutor do processo eleitoral do Recife.”

Eduardo também disse que procurou o senador Humberto Costa, escolhido pelo PT para disputar a prefeitura no lugar do prefeito João da Costa, mas os dois não puderam conversar porque o petista iria viajar a Brasília.

Desde o anúncio do nome de Humberto, Eduardo tem mantido conversas com lideranças da Frente Popular. Já recebeu, por exemplo, o senador Armando Monteiro Neto (PTB).

Leia mais no Diário de Pernambuco

Tudo o que sabemos sobre:

recife; eleições 2012; eduardo campos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.