Diário de Pernambuco: Daniel ataca Geraldo Julio e poupa Humberto Costa

Lilian Venturini

28 de setembro de 2012 | 14h57

Por Diário de Pernambuco

Com o crescimento nas pesquisas de intenção de votos, o candidato Daniel Coelho (PSDB) dá sinais de que tenta se “aproximar” do adversário Humberto Costa (PT) para uma eventual aliança no segundo turno. O tucano centrou fogo contra o candidato do PSB, Geraldo Julio, a quem atribuiu a “baixaria” do final da campanha, e diz não ser atacado pelo petista. Ao lado do senador Aécio Neves (PSDB), a primeira liderança nacional tucana a participar de um evento de rua na capital pernambucana, Daniel demonstra confiança.

A presença de Aécio não mudou o discurso de Daniel. Questionado se a vinda do senador não seria um prato cheio para as críticas dos adversários, o prefeiturável disse que não. “Nossa campanha não foi feita por caciques e, sim, por fatos políticos. A presença dele só na reta final comprova isso”, afirmou. Em seguida, Daniel disse que Humberto não ataca a candidatura dele, só Geraldo Julio.  “Ele (Geraldo) parte para o lado pessoal. O que marca essa reta final da campanha é a baixaria de Geraldo. A máscara dele caiu”, atacou.

Daniel tem sido alvo, nos últimos dias, de críticas de Geraldo Julio e de Humberto Costa. Inserções de propaganda política do socialista relembram o escândalo das notas frias da Câmara dos Vereadores. O tucano foi acusado de fraudar as notas de gastos com a verba indenizatória no período em que era vereador do Recife. O Ministério Público de Pernambuco ofereceu denúncia ao Tribunal de Justiça de Pernambuco, que a rejeitou por unanimidade. Já os petistas comparam a candidatura de Daniel à de Fernando Collor em 1989, quando o atual senador se apresentava como novo, prometia mudanças num tom quase messiânico.

Para Daniel, os ataques só acontecem por causa do crescimento da campanha. O tucano garante que a presença de Aécio é importante para a campanha e só demonstra a força do PSDB. “Nossa campanha tem o apoio da sociedade. Nós somos uma opção legítima de oposição. O PSDB não tinha lançado candidatura no Recife e, agora, tem uma postulação de oposição”, declarou.

Durante a caminhada, Aécio Neves foi bastante assediado pela população. Afirmou que estava no Recife para dar apoio a Daniel e para dizer que ele terá uma forte bancada no Congresso Nacional. “Essa bancada garantirá o apoio que o Recife merece”, disse.

Leia mais em Diário de Pernambuco

Tudo o que sabemos sobre:

candidatoseleiçõesPernambucorecife

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.