Diário catarinense: Disputa na Capital será marcada pela renovação

Redação

26 de abril de 2012 | 16h59

Por Diário Catarinense

A disputa pela prefeitura de Florianópolis neste ano deverá ser marcada pelo discurso da renovação. Depois de 16 anos com apenas dois prefeitos — Angela Amin (PP) e Dário Berger (PMDB), ambos reeleitos —, a característica comum aos principais pré-candidatos da eleição da Capital será a falta ou pouca experiência em cargos do Executivo.

Nesse cenário, ex-prefeitos e presidentes de partido apostam no debate de propostas para destacar o diferencial de cada um.

O deputado estadual Edison Andrino (PMDB), que administrou a cidade na década de 1980, sugere que a questão da região metropolitana, para discutir soluções comuns aos problemas da cidade influenciados pela interação com os municípios vizinhos, como saneamento e mobilidade, seja o mote da eleição.

— Renovação é um processo fundamental. Mas inovação só por inovação, o Brasil já passou pela experiência do Collor — afirma Andrino.

Os ex-prefeitos Esperidião (PP) e Angela Amin (PP) também consideram importante a renovação, mas dizem que ainda é cedo para analisar o cenário da disputa na Capital. O filho do casal, João Amin (PP), é pré-candidato a vice na eleição deste ano na chapa de Cesar Souza Junior (PSD).

O atual prefeito, Dário Berger (PMDB), principal adversário da família Amin e que apoia a pré-candidatura de Gean Loureiro (PMDB), diz que tem expectativa de bons debates entre os jovens que devem confirmar suas candidaturas.

— Eu já representei a renovação em determinado momento e fiz a minha parte. Espero que isso possa ser o início de novas ideias. No momento certo e apropriado vai se discutir e quem tiver mais competência vai ganhar — afirma Dário.

O presidente do PSDB, Walter da Luz, o Dr. Juca, diz que a renovação é uma oportunidade da classe política, que está desacreditada pela população, de trazer novas práticas. Para o presidente do PP em Florianópolis, Alessandro Abreu, o horário eleitoral terá grande influência na apresentação de propostas para a cidade.

Ele considera que, apesar dos políticos ditos “tradicionais” ou “mais experientes” não estarem em cabeças de chapa, a participação dessas figuras na forma de apoios às candidaturas será muito importante.

— Vai se ver quem consegue transferir mais votos — avalia Abreu.

Para o presidente do PMDB da Capital, vereador Celso Sandrini, o tema da mobilidade urbana deverá nortear os debates. O parlamentar considera que, pelo perfil dos pré-candidatos, o que deverá pesar será o poder de convencimento sobre como executar as propostas para resolver os problemas da cidade.

O presidente do PC do B, Jucélio Paladini — partido que tem como pré-candidata a deputada estadual Angela Albino —, diz que nomes novos não significam renovação porque estão ligados a grupos políticos que já governaram a cidade. Doreni Caramori, presidente do DEM, concorda com a avaliação.

— A eleição será dos jovens, não dos novos — afirma Doreni.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.