A Gazeta: Candidatos mantêm tom acirrado de ataques em Vitória

Lilian Venturini

22 de outubro de 2012 | 10h26

Por A Gazeta

Trocando “chumbo” na reta final do 2º turno em Vitória, Luciano Rezende (PPS) e Luiz Paulo Vellozo Lucas (PSDB) mantêm o tom de confronto. Ontem, o candidato do PPS evitou comentar o programa eleitoral do adversário que o mostrava empurrando um aliado de Luiz Paulo, a quem acusou de “mentiroso”. Já o tucano voltou a dizer que mudou a estratégia de campanha porque foi vítima de mentiras que o atingiram pessoalmente.

“Todo dia Luiz Paulo fala uma mentira diferente, mas as pessoas me pedem para fazer campanha limpa, sem cair nas provocações enormes. Não faço o mesmo tipo de campanha do adversário. Discuto propostas”, frisou Luciano. Para ele, o tucano iniciou “ataques” quando o percebeu virando o 1º turno.

Luiz Paulo, porém, volta a atribuir ao senador Magno Malta (PR), que indicou o vice de Luciano, a “rede de boataria”: “Além desse ataque que teve Magno como um dos patrocinadores, fui vítima de um candidato laranja não movido por interesses públicos. Mudei o foco porque é uma outra eleição. Vou manter essa mesma postura porque é necessária para mostrar a verdade. O embate é natural”.

O ex-governador Paulo Hartung (PMDB) gravou ontem elogios ao aliado Luiz Paulo para o programa de TV exibido à noite. O tucano é preparado e, como prefeito, melhorou a vida das pessoas, disse Hartung.

Ontem, Luciano caminhou na Praia do Suá e outros bairros. Na TV, apresentou propostas. Já Luiz Paulo foi a Jardim da Penha e hoje percorre feiras e a Praia de Camburi. Luciano não divulgou a agenda de hoje.

Leia mais em A Gazeta

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.