A Gazeta: Candidatos bancam a própria campanha

Lilian Venturini

16 de agosto de 2012 | 12h06

Por A Gazeta

Enquanto as doações externas não se concretizam, candidatos a prefeito das maiores cidades do Estado e da Grande Vitória injetam recursos próprios nas campanhas – até R$ 286 mil. Os maiores investidores nas próprias campanhas concorrem à Prefeitura de Linhares: Nozinho Corrêa (PDT) e Guerino Zanon (PMDB).

Os dados são da primeira parcial da prestação de contas disponibilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Uma nova parcial será divulgada no início de setembro.

Com um patrimônio declarado de R$ 25 milhões, Nozinho tirou do próprio bolso R$ 286,4 mil dos R$ 291,5 mil arrecadados até agora. Ele pagou R$ 104,8 mil em despesas, de R$ 399 mil já contratados.

Zanon desembolsou R$ 249,1 mil dos R$ 283,2 mil que declarou ter recebido. Ele, que declarou patrimônio de R$ 3,7 milhões, teve R$ 57,4 mil em despesas efetivamente pagas, de R$ 91,5 mil contratados. Nas eleições de 2008, quando foi eleito prefeito, o peemedebista doou R$ 1,2 milhão para a própria campanha.

O deputado estadual José Carlos Elias (PTB), candidato a prefeito de Linhares, também financiou sua campanha: R$ 34 mil dos R$ 55,2 mil de receita. Os outros dois candidatos na cidade, Milena Ceolin (PV) e João Luiz Teixeira (PCdoB), não usaram recursos próprios até agora.

Como o salário de prefeito de Linhares é de R$ 16 mil – R$ 768 mil em quatro anos de mandato –, para pagar os investimentos de Nozinho e Zanon serão necessários, respectivamente, 17,9 e 15,5 salários.

Na Grande Vitória, a deputada Iriny Lopes (PT) foi quem mais investiu na própria campanha: R$ 75 mil na disputa para prefeito de Vitória. Outros dois candidatos na Capital usaram recursos próprios: Montalvani Lima (PRTB), R$ 7,5 mil, e Luciano Rezende (PPS), R$ 2 mil.

Também injetaram recursos próprios na eleição: Max Filho (PSDB), R$ 20 mil em Vila Velha; Lúcia Dornellas (PT), R$ 15 mil em Cariacica; Ricardo Conde (PSB), R$ 8 mil em Guarapari; e Renato Almeida (PSOL), R$ 80 na Serra.

Leia mais em A Gazeta

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.