Governos: publiquem os salários de forma mais detalhada e transparente para evitar injustiças com os servidores!

fernandogallo

09 de agosto de 2012 | 13h15

Ainda sobre a questão dos salários dos servidores paulistas, a ombudsman da Folha de S. Paulo, Suzana Singer, criticou, em sua coluna dominical, algumas reportagens do jornal sobre o tema.

Segundo ela, houve uma “lambança” na publicação dos ganhos de alguns funcionários públicos.

“Foram divulgados dados dos recebimentos em um mês, sem separar salário de remunerações extras (férias, adiantamento de 13º, indenizações etc). ‘Cotidiano’ publicou anteontem os nomes dos coronéis e dos delegados da polícia paulista que receberam as maiores remunerações em junho. Fez a mesma coisa com alguns funcionários de fundações ligadas ao governo estadual”.

Ela continua:

“O que adianta afirmar que o coronel Fulano de Tal recebeu R$ 250 mil? Ele ganha isso todo mês ou foram bonificações, valores adicionais e benefícios que resultaram em uma bolada eventual? Ele é suspeito de ser favorecido indevidamente?”

Se a Folha errou ou não, não me cabe julgar, sobretudo porque seria extremamente indelicado opinar sobre o trabalho de um jornal concorrente.

O que eu quero aqui é avançar na discussão.

Algumas das perguntas da Suzana são irrespondíveis.

Se o coronel Fulano de Tal ganha R$ 250 mil todo mês ou foram bonificações excepcionais, ninguém tem condição de saber, apenas a secretaria da Fazenda.

Por quê?

Justamente porque o governo Geraldo Alckmin (PSDB) só publica três colunas sobre valores: valor bruto, valor total do mês e valor líquido.

A parte do vencimento do servidor que foi percebida como salário não está separada:

– daquilo que foi percebido como abono;

– daquilo que foi percebido como sexta parte;

– daquilo que foi percebido como indenização de férias;

– daquilo que foi percebido como uma eventual ação judicial que o servidor tenha ganhado do Estado;

– de qualquer outra verba extra.

Inclusive para que não se cometa nenhuma injustiça com o coronel Fulano de Tal nem com qualquer outro servidor, é importante que o governo – os governos, o paulista e os demais! – separe cada parte que compõe o vencimento do servidor naquele determinado mês.

Mais ainda: é muito importante que não se publique apenas o salário do mês, mas sim o quanto os servidores receberam no agregado de 2012, no agregado de 2011, no agregado de 2010, e assim por diante.

Inclusive porque aumenta o grau de transparência, permite recortes mais amplos e diminui a chance de injustiças contra os servidores.

(Fernando Gallo)

Tudo o que sabemos sobre:

governossaláriosservidores

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.