Xavecando Sarah Palin

Estadão

29 de setembro de 2008 | 14h06

Sarah Palin abafou em sua rodada de reuniões com líderes mundiais na semana passada, em Nova York. Não importa se ela acha que ser vizinha da Rússia a transforma em uma sovietóloga, os líderes se derreteram.

Olha a conversa que ela teve com o novo presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari:

“Você é ainda mais maravilhosa do que na TV”, disse Zardari.

“Obrigada”, disse Palin. “Você é muito gentil.”

“Agora eu sei porque toda a América está louca por você”, disse o paquistanês, e os dois apertaram as mãos.

“Eu devo posar de novo para a foto”, disse Palin.

“Já que insiste – posso abraçar?”, disparou Zardari

.
O ministro de informação do Paquistão também não economizou nos galanteios. “Como você faz para se manter tão bonita?”

O professor Joseph Nye que me desculpe, mas isso sim é soft power.

Vamos ver como vai funcionar o soft power da Sarah no debate com o vice de Obama, Joe Biden, na quinta-feira.

Os republicanos estão com medo. Nas entrevistas com Katie Couric e Charles Gibson, Sarah escorregou.

Mas justamente por causa dessas baixas expectativas ela pode surpreender. E o Bocão pode cometer alguma gafe, como sói acontecer.