Somos todos vira-latas agora!

Estadão

08 de novembro de 2008 | 14h51

Eu vi alguém dizendo, em algum lugar, que agora ser americano é “cool” de novo. Eu concordo.

Em sua primeira entrevista coletiva como presidente-eleito, além dos assuntos prementes, como o derretimento da economia americana, Obama falou sobre….cachorros!

“O cachorro é a questão que desperta o maior interesse no meu website”, disse. Ao se candidatar, Obama prometeu às filhas Malia e Sasha que elas poderiam finalmente ganhar um cachorro, ao final da campanha, para compensar todas as horas que ele teria de passar longe delas. Ontem, ele disse que há dois critérios para a escolha do cachorro. “Malia (sua filha menor) é alérgica, então precisa ser um cachorro hipo-alergênico; há várias raças que são hipoalergências”, disse Obama. “Mas nós sempre preferimos um cachorro de abrigo (adotar um cão abandonado) – o problema é que muitos dos cachorros de abrigo são vira-latas (de raça misturada), como eu. Então, como equilibrar essas duas questões é um desafio urgente no lar dos Obamas.”

Os vira-latas não são hipoalergênicos. Normalmente, os cachorros que não soltam pêlos e, portanto, não causam alergia são os poodles. Por isso, muitos apostam que os Obamas vão comprar um cachorro híbrido, como o Labradoodle (cruzamento de Labrador com poodle, o resultado é um Labrador de pelo crespo que não causa alergia).

Além de se declarar um vira-lata, o presidente-eleito teve outros momentos bem-humorados. Ele foi bastante simpático com a colunista Lynn Sweet, do Chicago Sun-Times, que estava com o braço em uma tipóia.

“O que aconteceu com o seu braço Lynn?”, perguntou Obama.

“Eu machuquei meu ombro a caminho do seu discurso na noite da eleição”, Lynn respondeu.

“Oh não. Esse deve ter sido o único grande incidente da comemoração em Grant Park”, ele brincou.

Respondendo às perguntas de Lynn, que levantou a questão canina, Obama disse que estava relendo as obras de Abraham Lincoln para se preparar para a presidência. Ele também disse que consultou vários ex-presidentes – ele citou primeiro Bill Clinton, mas depois teve o cuidado de acrescentar os nomes de Jimmy Carter, George H W Bush e o atual presidente George W Bush.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.