Realpolitik bushiana X meu vizinho neocon

Estadão

14 Maio 2007 | 14h16

Outro dia surgiu um bilhete embaixo da minha porta. Era o meu vizinho, convidando para tomar um café. Nós tínhamos nos encontrado algumas vezes no parque, um sujeito simpático. Pensei – bom, vou lá fazer a famosa política de boa vizinhança.

Antes de o café chegar, ele já tinha me contado que acabara de deixar o governo Bush, onde trabalhou durante 5 anos na agência para investimentos no exterior, e ia muito para o Iraque. Antes, foi candidato a deputado. Fez campanha para George W Bush. Disse que conhecia o presidente do Banco Mundial, Paul Wolfowitz (injustiçado, ele afirmou) e o ex-secretário de defesa Donald Rumsfeld. Gosta também de McCain. E achava a mídia americana uma porcaria.

“Fizeram muita coisa boa no Iraque, mas isso a gente não vê nos jornais. E você, o que acha? De que colunistas você gosta?”, disparou, à queima roupa.

Fui espontânea.

“Gosto muito dos editoriais do Washington Post, do Frank Rich no The New York Times, e a Maureen Dowd tem tiradas maravilhosas…..”

Senti um olhar de profundo desprezo, quase pena. Achei que ele ia jogar o café na minha cara.

“Você tem que parar de ler o editorial do Washington Post, não serve para nada. A Maureen Dowd não fala nada que seja útil. O único editorial que presta é o do The Wall Street Journal.”

Tentei contemporizar.

“Olha, também gosto do editorial do The Wall Street Journal, embora às vezes não concorde, e adoro as matérias do jornal, são maravilhosas….”

Ele não se deteve.

“As pessoas que lêem jornais aqui têm uma idéia distorcida da realidade, não sabem exatamente o que está acontecendo no Iraque e nem no governo….”

Falou também sobre a ilusão de se aproximar do Irã para resolver o conflito do Iraque.

Papo vai, papo vem, saímos da política e entramos em terreno neutro – museus, raças de cachorro, ufa.

Foi ótimo, muito prazer, tchau e bênção.

No dia seguinte, um livro na minha soleira. “The case for democracy”, de Natan Sharanski.

Sharanski é, ao lado de Leo Strauss, guru dos neoconservadores.
Dissidente soviético, vive em Israel e é um dos defensores da abordagem linha-dura no conflito com os palestinos.

Bush recomendou a vários integrantes do governo que lessem o livro de Sharansky, um exemplo de política externa, disse na época da invasão do Iraque. Parte das idéias de exportar a democracia para o Oriente Médio vieram do livro.

O mundo precisa insistir na promoção da democracia para os povos oprimidos, e se recusar a simplesmente tolerar ditaduras e fazer negócios com tiranos, diz Sharansky.

Teoria diametralmente oposta ao realismo de James Baker, pregado no natimorto Grupo de Estudos do Iraque. E também oposto à nascente realpolitik da secretária de Estado Condoleezza Rice, que vem tentando aumentar contato com Síria e Irã. O governo Bush anunciou conversas entre Irã e EUA, embora ainda no nível embaixador-embaixador, nada de alto escalão. É sinal de que até Bush teve de admitir que são necessárias novas táticas para sair do atoleiro iraquiano.
(Embora valha lembrar que, no caso da Coréia do Norte, a realpolitik bushiana ainda não rendeu frutos – os coreanos estão quase um mês atrasados no cumprimento das promessas nucleares que fizeram aos americanos, em troca da liberação de seus recursos congelados.)

PS – Conta-me uma amiga do Banco Mundial que, lá dentro, as pessoas só se referem ao imbróglio Wolfowitz-Shaha Riza como TCS (the current situation). Como o assunto é onipresente, inventaram uma sigla para facilitar as conversas.