OS VEGANS ASSASSINOS e AS PÉROLAS AOS PORCOS

Estadão

27 Maio 2007 | 15h45

Um casal de Atlanta foi condenado à prisão por matar de fome seu filho de seis semanas. O casal era vegan e só dava suco de maçã e leite de soja para o bebê. Quando morreu, o bebê, batizado de Crown Shakur (??) por seus pais naturebas radicais, pesava só 2 quilos e meio.

Não é o primeiro infanticídio por veganismo aqui nos EUA. Há dois anos, a bebê Woyah morreu de desnutrição por causa da dieta heterodoxa imposta por outros pais vegan. Quando woyah completou 3 meses, sua mãe parou de amamentá-la e passou a dar uma fórmula de farelo de trigo, amêndoas e água de coco. Woyah tinha 6 meses quando morreu. Os outros cinco filhos do casal também era submetidos ao regime extremo. Os pais trancavam a geladeira e diziam aos filhos que todos os alimentos cozidos eram “do mal”.

Os vegans são vetegarianos radicais, que não consomem nenhum derivado de animal, seja para comer ou vestir. Não comem nenhuma carne, peixe, ovos, leite, mel e não usam lã, seda, couro, peles, gelatina. Há cerca de 2,5 milhões de vegans nos Estados Unidos.

Será que esses pais naturebas radicais sabem que bebês morrem de fome na África, não por preciosismo nutricional, mas por falta de comida mesmo?

PÉROLAS AOS PORCOS

Uma matéria do The Wall Street Journal da semana passada mostrava como alguns fazendeiros americanos estão alimentando seus porcos com M&Ms (aquele confeito de chocolate), porque o preço do milho não para de subir por causa da demanda do etanol. A continuar esse boom/bolha de etanol de milho por aqui, daqui a pouco a Godiva estará cheia de consumidores nas pocilgas.

QUE PENA

Fiquei compungida nesta semana ao ler o lamento dos produtores de petróleo. Eles ameaçam reduzir os investimentos, porque estão com medo de que suas margens de lucro caiam muito por causa dos projetos de expansão de consumo de combustíveis alternativos. Estou com muita pena mesmo dos donos de indústrias de petróleo.