Obama e seu cigarrinho: "estou 95% curado"

Estadão

24 de junho de 2009 | 08h09

Durante a entrevista de uma hora com o presidente Barack Obama, focada em assuntos densos como Irã e reforma do sistema de saúde, uma jornalista se aventurou a fazer a pergunta que não queria calar: “Quantos cigarros o senhor fuma por dia? O senhor fuma sozinho ou na frente dos outros?”

“Estou 95% curado, mas às vezes eu escorrego” – disse o presidente Barack Obama, respondendo – mais ou menos – à pergunta. . “Não sou um fumante diário e nem constante. E não, não fumo na frente dos meus filhos ou da minha família”.Obama disse que é perguntado sobre seu vício uma vez por mês e se comparou a um alcoólatra. “Como as pessoas que freqüentam os Alcóolicos Anônimos, uma vez que você entra nesse caminho, é uma luta contínua”.

Foi a primeira vez que o presidente falou mais abertamente sobre o assunto, desde que seu vício veio à tona, durante a campanha eleitoral.

Na segunda-feira, Obama assinou uma lei que aumenta a regulamentação sobre cigarros e reacendeu as discussões sobre os cigarros de Obama. Ao assinar a lei, ele contou ter começado a fumar quando era adolescente e disse : “eu sei como é duro se livrar do vício”. No mesmo dia, o porta-voz Robert Gibbs se limitou a dizer, em resposta à pergunta fatídica: “O presidente continua a lutar contra o vício”.

Michelle fez um trato com Obama antes da campanha –o então senador só poderia se candidatar se parasse de fumar. Obama era visto constantemente durante comícios mascando chiclé de nicotina. Mas ele confessou, em entrevista durante a campanha, ter “escorregado” algumas vezes. Foi noticiado até que Obama teria fumado um cigarro escondido com o presidente Lula durante a reunião do G-20 em abril, em Londres.

Mas como já disse alguém, eu não me importo que Obama fume seu cigarrinho antes decidir
qualquer coisa – melhor do que ser um abstêmio evangélico que invade países a torto e a direito.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.