"O legado dos Kennedy vai para um cara pelado que é dono de uma caminhonete"

Estadão

21 de janeiro de 2010 | 03h15

Scott Brown, o republicano eleito na terça-feira para a vaga do senador Ted Kennedy , era um desconhecido senador estadual até a semana passada. Brown era famoso só entre um grupo seleto de leitoras assíduas da revista feminina Cosmopolitan, editada no Brasil como Nova. Ele foi “o homem mais sexy” da Cosmopolitan de 1982, e estampou a edição com fotos sensuais, semi-nu.

O republicano conquistou o eleitorado de Massachusetts, Estado democrata até a raiz dos cabelos, com seu tipão popular – fazia propagando de jeans, camisa, mostrando sua caminhonete (veículo vetado por liberais ecologicamente conscientes). Como disse o comediante Jon Stewart ontem: “O legado dos Kennedy vai para um cara pelado que é dono de uma caminhonete”. Ele é triatleta e acorda todo dia às 5 da manhã para nadar. Sua mulher, Gail Huff, é estrela da TV em Boston e uma de suas filhas, Ayla, foi finalista no American Idol.

Brown teve uma candidatura anti-establishment, contestando o direito natural dos democratas à vaga ocupada por 46 anos por Ted Kennedy. E fez campanha contra a lei de reforma de saúde – considerada a principal bandeira de Kennedy.

Está certo que ele teve uma granda ajuda da campanha inepta da democrata Martha Coakley, ruim de voto. Martha disse que o arremessador Curt Schilling, um ídolo do time local Red Sox, torcia para os Yankees, de NY – uma gafe semelhante a dizer que o Ronaldo joga no São Paulo, em vez do Corinthians. Para completar, em resposta a um repórter do Boston Globe, que perguntou se ela não tinha sido passiva demais em sua campanha: “Por que, eu deveria ter ficado em Fenway Park, nesse frio, apertando mão de eleitor?”!

Não que Brown tenha passado incólume no quesito gafes. No discurso de vitória, deixou suas duas filhas, Arianna e Ayla, roxas de vergonha. “Queria agradecer muito as minhas filhas, que me ajudaram na campanha…e só por acaso, se alguém estiver se perguntando ao redor do país, sim, as duas estão disponíveis”. Ai.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.