Ninguém segura o Asean

Estadão

29 de agosto de 2006 | 14h43

Tive hoje uma entrevista rápida com Kamal Nath, o ministro do Comércio da Índia. Aquele que cunhou a frase genial: “A Rodada Doha está entre a UTI e o crematório”.

Nath disse que a Índia resolveu acelerar as negociações para assinar em janeiro do ano que vem um acordo de livre-comércio com a Asean (Associação das Nações Sul-Asiáticas, que inclui Brunei, Cambodja, Indonésia,Laos, Malásia, Mianmar, Filipinas, Cingapura, Tailândia e Vietnã). Com isso, a Índia deixará de estar isolada e passará a fazer parte de um bloco forte, com um PIB de cerca de US$ 800 bilhões (sem incluir a economia indiana). Será um contraponto para blocos como Nafta e União Européia?

“O Asean está se tornando um grupo muito importante em termos de comércio e politicamente”, disse Nath.