Extrema direita dos EUA declara guerra contra a Copa do Mundo

Estadão

16 de junho de 2010 | 10h56

A Copa do Mundo é a mais nova vítima da raivosa extrema direita americana. Vários comentaristas americanos estão atacando a popularização do esporte nos EUA, dizendo que se trata de uma modalidade esportiva “de pobre”, coisa de sul-americano, resultado da crescente influência dos hispânicos no país e ligado às “políticas socialistas de Obama”. Glenn Beck, o mais famoso comentarista conservador da Fox News, compara o futebol às políticas do presidente Barack Obama. “Não importa quantas celebridades o apoiam, quantos bares abrem mais cedo, quantos comerciais de cerveja eles veiculam, nós não queremos a Copa do Mundo, nós não gostamos da Copa do Mundo, não gostamos do futebol e não queremos ter nada a ver com isso”, esbravejou Beck. Segundo ele, o futebol é como o governo Obama: “o resto mundo gosta das políticas do Obama, mas nós não.”
O pessoal do Tea Party está assoberbado: xinga a expansão do governo, a reforma do sistema de saúde, duvida da certidão de nascimento do Obama…e agora, o futebol, essa coisa de estrangeiros que mancha a cultura Apple Pie.
Com o bom desempenho do time americano no jogo contra a Inglaterra, os tradicionais fãs de beisebol e futebol americano estão mais entusiasmados com a Copa do Mundo. Mas isso é resultado de uma “conspiração da esquerda”, dizem os conservadores. “Futebol é um jogo de pobre”, disse o analista conservador Dan Gainor, do Media Research Center, em rede nacional: “A esquerda está impondo o ensino de futebol nas escolas americanas, porque a América está se ‘amarronzando’ (cresce o número de hispânicos). “
Para Matthew Philbin, do centro de pesquisas de direita Culture and Media Institute, “a mídia liberal sempre se sentiu desconfortável com o o excepcionalismo americano, o fato de nós sermos únicos entre as nações, sermos líderes; e os esquerdistas são contra nossa rejeição ao futebol, da mesma maneira que são contra nossa rejeição ao socialismo”. O radialista Mark Belling foi além. “Eles estão nos enfiando futebol goela abaixo”, disse Belling no programa de rádio de Rush Limbauygh, ouvido por 20 milhões de americanos.Para eles, o futebol é um esporte estrangeiro, que não pertence à cultura tradicional dos Estados Unidos.
O fato é que o futebol conquistou tantos adeptos nos Estados Unidos nos últimos 10 anos que atualmente rivaliza com beisebol e basquete. Hoje em dia, mais crianças abaixo dos 12 anos jogam futebol do que beisebol, basquete e futebol americano juntos. Segundo a FIFA, os EUA têm 18 milhões de jogadores registrados.Muitos imigrantes hispânicos trouxeram a tradição de seus países e ajudaram a populiarizar o esporte nos EUA. Mas o futebol nem de longe se restringe aos hispânicos. Já existe até uma faixa demográfica apelidada de “mães do futebol” (soccer moms): mulheres brancas de classe média, que vivem no subúrbio e passam boa parte do tempo em suas mini-vans, buscando seus filhos (normalmente meninas) nos treinos de futebol.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: