Estados Unidos apoiam Índia para Conselho de Segurança e dão uma esnobada diplomática no Brasil

Estadão

08 de novembro de 2010 | 10h56

O presidente Barack Obama, em visita à Índia, pediu “um conselho de segurança da ONU reformado que a inclua a Índia como membro permanente”. A declaração de apoio à Índia como mebro permanente deve ter irritado profundamente o Itamaraty – o Brasil vem pedindo há anos o apoio dos Estados Unidos para suas pretensões ao assento permanente no CS.
A declaração de Obama é mais uma amostra da aposta dos EUA em sua nova parceria estratégica com a Índia, para se contrapor ao poder da China na Ásia. Antes, para não melindrar seu aliado militar Paquistão, os EUA restringiam suas demonstrações de apoio à Índia. No governo Obama, o primeiro-minsitro Manmohan Singh foi agraciado com o primeiro jantar oficial para chefes de estado na Casa Branca, ganhou de presente a liberação de várias exportações de produtos com dual technology, que estavam restritos por poderem ser usados a finalidades militares, além da confirmação do acordo nuclear desenhado no governo Bush, que efetivamente avacalha o Tratado de Não-Proliferação, já que garante à Índia, que não é signatária, fornecimento de combustível nuclear para fins civis.
Além do Brasil, a China é outro país que não vai ficar nada feliz com o apoio oficial dos EUA às aspirações da índia no CS.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.