Celso Amorim e o Irã – pensador global ou "enorme erro"?

Estadão

28 de novembro de 2010 | 16h05

O chanceler Celso Amorim ficou em sexto lugar na lista dos 100 maiores “pensadores globais” da revista Foreign Policy. No perfil altamente elogioso, a revista diz que o “mandato de Amorim provou que é possóvel ter, como ele disse recentemente, uma política externa humanista, sem perder de vista o interesse nacional”.
Amorim capitaneou uma das manobras diplomáticas mais destacadas do ano – o acordo de troca de combustível do Irã, mediado por Turquia e Brasil. O acordo acabou ignorado por Estados Unidos e as outras potências, que aprovaram as sanções contra o programa nuclear iraniano na ONU. Mas cimentou a maior presença do Brasil no cenário diplomático global.
Já a atitude do governo brasileiro em relação a violações de direitos humanos, principalmente no Irã, onde a viúva Sakineh Ashtiani pode ser apedrejada por adultério, pode acabar custando o cargo do chanceler.
Estive em Brasília durante a semana e conversei com diversos interlocutores da presidente eleita. Segundo eles, Dilma avalia que a atitude em relação a violações aos direitos humanos no Irã foi “equivocada” e “causou desgaste desnecessário”. Para Dilma, associar-se a um regime que apedreja mulheres e aprisiona opositores foi um “enorme erro”, dizem esses interlocutores.
O governo brasileiro reluta em condenar a sentença de apedrejamento de Sakineh e se abstém nas votações de resoluções da ONU contra essas práticas, e não condena a opressão a opositores do regime de Ahmadinejad. Um dos motivos para a não manutenção do chanceler Celso Amorim no cargo seria sua atuação no caso do Irã.
Seu desempenho nas negociações da Alca foi considerado um sucesso. Mas ele teria caído em desgraça por causa do Irã. Para fazer um recomeço, seria preciso ter um novo chanceler e Amorim ficou muito identificado com a iniciativa. Além disso, a química de Amorim com Dilma não seria das melhores – os dois tiveram algumas rusgas quando ela era ministra da Casa Civil.
Dilma já havia indicado que se opunha à atitude não intervencionista na questão iraniana. “Acho uma coisa muito bárbara o apedrejamento da Sakineh. Mesmo considerando usos e costumes de outros países, continua sendo bárbaro”, disse Dilma em entrevista no dia 3 de novembro.
Para assessores próximos da presidente, a percepção é de que a aproximação com o Irã pode ter custado ao presidente Lula o Nobel da Paz por seu avanço em reduzir a pobreza.

Tudo o que sabemos sobre:

celso amorimdilmairã

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.