O legado de Palocci

Estadão

13 de dezembro de 2010 | 14h42

Raul Velloso – O Estado de S.Paulo

Não sabendo que a razão entre a dívida pública e o Produto Interno Bruto (PIB) era mais baixa do que revelavam as estatísticas oficiais – e que viria um choque externo favorável e duradouro -, os mercados temiam, entre 2002 e 2003, que se seguisse uma explosão dessa mesma razão, mesmo sob o efeito das reformas aprovadas na gestão anterior.

Naquela época se trabalhava com uma dívida inicial de 50% do PIB; o custo real implícito da dívida oscilava entre 10% e 11% ao ano; e se estimava um crescimento real sustentável do PIB ao redor de 2,7% ao ano. Com isso, o superávit primário (excedente de caixa antes de pagar juros) requerido para estabilizar a razão dívida/PIB era próximo de 4% do Produto Interno Bruto. Como os superávits observados eram menores do que essa marca, concluía-se que a razão dívida/PIB tenderia a continuar crescendo para sempre.

O temor de um eventual governo do PT repudiar a dívida pública provocava fuga de capitais. Se tivéssemos partido de uma razão dívida/PIB de 45%, e se soubéssemos que os juros iriam cair (com o crescimento sustentável passando de 2,7% para 4,5% ao ano), era fácil prever, ao contrário, que a razão dívida/PIB cairia sistematicamente até alcançar níveis abaixo de 40% no final de 2008.

Só se soube depois, mas de fato: 1) o valor estimado para o PIB continha um erro de 10% para menos (cuja correção garantiria a queda da razão dívida/PIB inicial para 45%); e 2) o mundo inundaria o País de dólares, levando à redução das taxas de juros e à ampliação dos prazos de financiamento, além de permitir a redução a zero da dívida pública de origem externa, que hoje se transformou em crédito. Um sério problema dessas projeções da razão dívida/PIB é a alta sensibilidade dos resultados a qualquer mudança dos parâmetros envolvidos nos cálculos.

O papel do ministro Antonio Palocci foi decisivo naquela difícil transição, por seu empenho em dobrar a aposta no equacionamento do problema da dívida pública sem quaisquer estripulias, a despeito das baixas chances de sucesso. Além disso, apoiou a realização de uma reforma da previdência dos servidores públicos, difícil tarefa que tomou todo o ano de 2003, e sob a qual: 1) os servidores inativos passaram a pagar uma contribuição sobre seus rendimentos (algo que o governo precedente não conseguiu aprovar); e 2) alterou-se a Constituição para permitir igualar o seu regime ao dos empregados das estatais (ou seja, os servidores públicos seriam regidos como no INSS até o teto e, depois, teriam de contribuir para fundos de previdência complementar).

Sem o apoio de Lula, o efeito Palocci obviamente não existiria. Lula, inclusive, demonstrou seu forte apoio ao ministro em várias reuniões do Conselho de Desenvolvimento Econômico de que participei, quando o “fogo amigo” tentava de todas as formas tirar-lhe o tapete. Ao apoiar as propostas de reformas microeconômicas gestadas por seu secretário Marcos Lisboa, Palocci tornou possível uma maior expansão de vários segmentos, notadamente o de crédito imobiliário.

A transição Lula-Dilma se dá sobre águas tranquilas. O gigantesco estoque de reservas em dólares é algo inédito no País. Passamos com nota alta no exame da atuação pós-crise imobiliária. Alguma preocupação com o risco de insolvência pública tem voltado à cena, mas hoje o “x” da questão fiscal tem que ver com o combate à inflação. Sem um maior controle da expansão da demanda agregada oriunda do setor público, é difícil evitar que o Banco Central, para viabilizar metas de inflação, deixe de subir a taxa de juros Selic de tempos em tempos. Aliás, mais uma subida está “pintando”…

O grande desafio que se coloca à frente é a revisão do modelo de crescimento dos gastos correntes que tem vigorado desde a edição da Constituição de 1988, que tende ao esgotamento. Dito de outra forma, trata-se de modelo de queda progressiva da taxa de poupança interna, especialmente no setor público, que, por consequência, coloca a expansão do investimento (e das possibilidades de produção interna) em situação de baixa prioridade, algo que deve mudar.

Precisamos avaliar – cautelosamente, é óbvio – os avanços realizados e as falhas existentes na forte expansão dos chamados gastos sociais. Mais do que isso, é preciso rever a política de pessoal, com vistas a gastar menos e produzir mais. Sem o que será impossível reduzir a incidência de tantos impostos complicados, compensando-os não só com maior grau de formalização, mas também pela troca por impostos menos prejudiciais à economia.

Atenção especial deve ser dedicada à baixa qualidade da gestão pública. Não adianta destinar mais recursos a determinados ministérios, porque a baixa qualidade de gestão impede a implementação de projetos relevantes.

A volta de Antonio Palocci ao centro da administração federal traz nova esperança ao governo que representa continuidade do atual, e deve-se louvar a nova presidente por essa e por outras iniciativas alvissareiras, como a de sinalizar imediato esforço de ajuste das contas públicas em sua esfera de atuação. (Depois falarei sobre os desafios para os novos governadores.)

CONSULTOR ECONÔMICO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: