Mantega divide os economistas e desperta dúvidas

Estadão

21 de novembro de 2010 | 14h33

Elogiado por desenvolvimentistas, ministro traz preocupação aos ortodoxos por suposta falta de vontade de fazer contenção fiscal

 

Fernando Dantas / RIO – O Estado de S.Paulo

A decisão da presidente eleita Dilma Rousseff de manter no cargo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, agradou os economistas desenvolvimentistas e deixou os ortodoxos preocupados. Há muitas dúvidas, porém, sobre como Mantega vai de fato conduzir a economia num momento particularmente delicado, quando o aquecimento ameaça reacender a inflação e ampliar o déficit externo.

O discurso de vitória de Dilma e a atual influência sobre ela de Antonio Palocci contribuem para aumentar ainda mais ambiguidade das percepções, pois o ex-ministro da Fazenda é conhecido por suas posições ortodoxas.

O economista Ricardo Carneiro, da Universidade de Campinas, de inclinação desenvolvimentista, considera que “Guido fez uma excelente gestão na Fazenda”. Carneiro elogia a política anticíclica de gastos públicos e isenções tributárias que contribuiu para o Brasil sair rapidamente da recessão provocada pela crise global; o aumento das compras de dólares que compõem as reservas brasileiras (que atribui em parte à Mantega); e a introdução do conceito de poupança pública no debate econômico, reduzindo a fixação no superávit primário. O governo poupa tanto pelo superávit fiscal quanto pelo aumento de investimentos públicos, em substituição a gastos correntes.

O economista espera que Mantega conduza agora uma política macroeconômica que combine, já a partir de 2011, redução da Selic, a taxa básica de juros (o que ele sabe que depende do BC), medidas para conter o crédito de consumo (como redução do número máximo de parcelas) e aumento do superávit primário efetivo, que poderia ir para algo entre 3% e 3,5% do PIB (hoje está em torno de 1,5% a 2%).

Para Carneiro, a redução do juro será expansionista, mas provocará desvalorização cambial, o que deve ter efeitos contracionistas por um a dois anos, por reduzir a renda do trabalho. Além disso, a contenção do crédito e o aumento do superávit primário ajudariam a conter a demanda. “Não faz sentido ter essa taxa de juro e muito menos essa taxa de câmbio”, diz.

Os economistas mais ortodoxos acham, ao contrário de Carneiro, que o movimento inicial da Selic no próximo governo deveria ser para cima, para conter as pressões inflacionárias. Ilan Goldfajn, economista-chefe do Itaú Unibanco, prevê que um aumento de dois pontos porcentuais na Selic (hoje em 10,75%) terá de ser realizado em 2011 para evitar que a inflação se descole de 5,5% (já acima da meta de 4,5%).

Ceticismo. Os defensores da alta da Selic, porém, são mais céticos em relação à vontade e à capacidade de o governo aumentar significativamente o superávit primário em 2011. A confirmação de Mantega na Fazenda parece reforçar essa dúvida. “Essa escolha para mim indica que vamos ter política fiscal mais expansionista do que o mercado vinha assumindo quando começou a fazer cenário sobre como seria o governo da Dilma”, comenta Affonso Celso Pastore, ex-presidente do BC.

Para Pastore, no caso de política fiscal expansionista, se o Banco Central não se dispuser a elevar os juros tanto quanto for necessário, “vamos ter a inflação subindo e saindo de controle”.

Samuel Pessôa, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas (FGV) no Rio, também vê a possibilidade de menor rigor fiscal com Mantega no início do próximo mandato, mas ressalva que “ainda temos de ouvir o que o ministro tem a nos dizer sobre isso”. Uma preocupação adicional de Pessôa é sobre a formulação de políticas de longo prazo. “Acho que o Mantega administrou muito bem a conjuntura, especialmente a crise, mas o Palocci tinha mais uma agenda estrutural de longo prazo.”

 

Fernando Dantas / RIO – O Estado de S.Paulo

A decisão da presidente eleita Dilma Rousseff de manter no cargo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, agradou os economistas desenvolvimentistas e deixou os ortodoxos preocupados. Há muitas dúvidas, porém, sobre como Mantega vai de fato conduzir a economia num momento particularmente delicado, quando o aquecimento ameaça reacender a inflação e ampliar o déficit externo.

O discurso de vitória de Dilma e a atual influência sobre ela de Antonio Palocci contribuem para aumentar ainda mais ambiguidade das percepções, pois o ex-ministro da Fazenda é conhecido por suas posições ortodoxas.

O economista Ricardo Carneiro, da Universidade de Campinas, de inclinação desenvolvimentista, considera que “Guido fez uma excelente gestão na Fazenda”. Carneiro elogia a política anticíclica de gastos públicos e isenções tributárias que contribuiu para o Brasil sair rapidamente da recessão provocada pela crise global; o aumento das compras de dólares que compõem as reservas brasileiras (que atribui em parte à Mantega); e a introdução do conceito de poupança pública no debate econômico, reduzindo a fixação no superávit primário. O governo poupa tanto pelo superávit fiscal quanto pelo aumento de investimentos públicos, em substituição a gastos correntes.

O economista espera que Mantega conduza agora uma política macroeconômica que combine, já a partir de 2011, redução da Selic, a taxa básica de juros (o que ele sabe que depende do BC), medidas para conter o crédito de consumo (como redução do número máximo de parcelas) e aumento do superávit primário efetivo, que poderia ir para algo entre 3% e 3,5% do PIB (hoje está em torno de 1,5% a 2%).

Para Carneiro, a redução do juro será expansionista, mas provocará desvalorização cambial, o que deve ter efeitos contracionistas por um a dois anos, por reduzir a renda do trabalho. Além disso, a contenção do crédito e o aumento do superávit primário ajudariam a conter a demanda. “Não faz sentido ter essa taxa de juro e muito menos essa taxa de câmbio”, diz.

Os economistas mais ortodoxos acham, ao contrário de Carneiro, que o movimento inicial da Selic no próximo governo deveria ser para cima, para conter as pressões inflacionárias. Ilan Goldfajn, economista-chefe do Itaú Unibanco, prevê que um aumento de dois pontos porcentuais na Selic (hoje em 10,75%) terá de ser realizado em 2011 para evitar que a inflação se descole de 5,5% (já acima da meta de 4,5%).

Ceticismo. Os defensores da alta da Selic, porém, são mais céticos em relação à vontade e à capacidade de o governo aumentar significativamente o superávit primário em 2011. A confirmação de Mantega na Fazenda parece reforçar essa dúvida. “Essa escolha para mim indica que vamos ter política fiscal mais expansionista do que o mercado vinha assumindo quando começou a fazer cenário sobre como seria o governo da Dilma”, comenta Affonso Celso Pastore, ex-presidente do BC.

Para Pastore, no caso de política fiscal expansionista, se o Banco Central não se dispuser a elevar os juros tanto quanto for necessário, “vamos ter a inflação subindo e saindo de controle”.

Samuel Pessôa, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas (FGV) no Rio, também vê a possibilidade de menor rigor fiscal com Mantega no início do próximo mandato, mas ressalva que “ainda temos de ouvir o que o ministro tem a nos dizer sobre isso”. Uma preocupação adicional de Pessôa é sobre a formulação de políticas de longo prazo. “Acho que o Mantega administrou muito bem a conjuntura, especialmente a crise, mas o Palocci tinha mais uma agenda estrutural de longo prazo.”



Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.