Virada é possível?

Virada é possível?

Pela Datafolha, vantagem de Bolsonaro sobre Haddad/Lula caiu 6 pontos em relação à pesquisa anterior, PT fala em virada, mas só acontecerá se 6 milhões e meio de eleitores do capitão virarem casaca

José Nêumanne

26 de outubro de 2018 | 12h27

Datafolha leva Bolsonaro a cobrar mais militância e anima Lula/Haddad com perspectiva de virada. Foto: Ricardo Moraes/Nacho Doce/Reuters

Conforme a nova pesquisa da Datafolha no segundo turno da eleição presidencial, a vantagem de Jair Bolsonaro, do PSL, sobre Lula/Haddad, do PT, foi reduzida em seis pontos, caindo de 18 para 12: 56% a 44% dos votos válidos. Se o levantamento refletir a realidade da intenção de voto, contudo, ainda há um abismo entre os dois, principalmente se se considerar o fato de que isso representa a transposição de 6 milhões e meio de um para o outro. Dificulta essa virada anunciada o alto número de eleitores que garantem que não trocarão de candidato: 94% de Bolsonaro e 91% de Lula/Haddad. Mas, apesar de Montenegro, do Ibope, garantir que só tsunami a causaria, só a urna definirá o vencedor.

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na sexta-feira 26 de outubro de 2018, às 7h30m)

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para o comentário da sexta-feira 26 de outubro de 2018

 

1 – Haisem – O que o segundo levantamento do Datafolha sobre a disputa pela Presidência da República entre os candidatos Jair Bolsonaro, do PSL, e Fernando Haddad, do PT, traz de novo, a seu ver, com a redução da diferença entre o primeiro e o segundo, que já foi de 18 pontos porcentuais e agora está em 12?

 

2 – Carolina – Em que o presidente do Ibope, Carlos Augusto Montenegro, se baseia para afirmar que, salvo por algum tsunami, a eleição de domingo já está decidida, havendo dúvidas apenas quanto à diferença entre os votos?

 

3 – Haisem – A ex-presidente da Costa Rica, Laura Chinchilla, que chefia a delegação da Organização dos Estados Americanos para observar a eleição brasileira, tem razão quando diz que provavelmente o fenômeno das fake news por Whatsapps no Brasil seja inédito no mundo inteiro?

 

4 – Carolina – Será que o presidenciável em primeiro lugar nas pesquisas, Jair Bolsonaro, do PSL, conseguirá fechar as escolas em funcionamento nos acampamentos do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, MST, como prometeu em entrevista ontem à TV Aparecida?

 

5 – Haisem – Qual foi o sentido da orientação dada por Lula da prisão por meio do ex-presidente do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão, para que seus militantes se preparem para se opor a um eventual governo de Jair Bolsonaro, do PSL, na hipótese de derrota de Fernando Haddad?

 

6 – Carolina – Que tipo de preocupação levou fiscais de Tribunais Regionais  Eleitorais a apreender materiais e empreender atos de fiscalização em Universidades de 17 universidades em 9 Estados do Brasil por suposta propaganda eleitoral no segundo turno da eleição para o candidato do PT, Fernando Haddad, à Presidência da República?

 

7 – Haisem – Quanto tempo depois do pleito de domingo vai ser necessário, a seu ver, para  os candidatos a presidente deixarem de prometer mundos, fundos e algo mais e passarão a tratar seriamente de quem vai pagar a conta e como isso será feito?

 

8 – Carolina – Que importância tem a negociação noticiada pelo Globo entre a Petrobrás e a Chevron para a transferência da maioria acionária da refinaria que a petroleira brasileira comprou do grupo belga Astra Oil, em Pasadena, no Texas?

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.