Vilipendiada democracia impagável

Enquanto Bolsonaro investe contra democracia, seus aliados do Centrão promovem na Câmara, sob chefia de Arthur Lira, a inviabilidade na prática com encarecimento da eleição e enriquecimento de eleitos

José Nêumanne

12 de agosto de 2021 | 13h34

Presidente da Câmara, dep. Arthur Lira conversa com parlamentares durante a votação da PEC na nova reforma eleitoral que restaura aos pedaços a velha política renegada por Bolsonaro na campanha. Foto: Cleia Viana/Agência Câmara

Além de aumentar o fundo eleitoral para R$ 5,7 bilhões em 2022, o Congresso deve adotar mais duas medidas com influência nas eleições do ano que vem: turbinar o Fundo Partidário, pago anualmente às legendas, e retomar a propaganda das legendas no rádio e na TV fora do período eleitoral. As mudanças pressionarão o teto de gastos, que limita o crescimento das despesas à inflação do ano anterior. O Fundo Partidário hoje de R$ 969,5 para R$ 1,061 bilhão. Um projeto aprovado no Senado em julho traz a volta da propaganda das siglas e aumenta os recursos do Fundo Partidário para financiar as inserções no rádio e na TV.  O valor irá para R$ 1,3 bilhãoO gasto público com as eleições de 2022 pode. poois, chegar a R$ 7 bilhões, inédito. A democracia vilipendiada também se tornará impagável pelo pobre cidadão.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário na quinta-feira 12 de agosto de 2021

1 – Verba para campanha eleitoral em 2022 pode chegar a 7 bilhões de reais – Esta é a manchete da primeira página da edição impressa do Estadão em 12 de agosto de 2021. \por que será que quanto menos democracia há o cidadão mais gasta com o que resta dela

2 – CPI vai acusar Bolsonaro de charlatanice e curandeirismo – Este é o título de chamada de primeira página no jornal desta quinta-feira. De que adiantará a comissão parlamentar de inquérito sobre a Covid no Senado acusar o presidente desses crimes se o procurador-geral da República, Augusto Aras, não mandar, como tem feito, abrir inquérito a respeito

3 – Câmara barra “distritão”, mas resgata coligações – Esta é a manchete da página A 8 da Editoria de Política da edição do Estadão do dia. O que altera na prática a representatividade da cidadania na prática eleitoral brasileira

4 – Pressão leva a Câmara a adiar a votação da mudança no Imposto de Renda – Este é o título de chamada na primeira página do jornal de hoje. Em que essa novidade melhora ou piora a vida real do pagador de impostos no Brasil

5 – Câmara vota cassação do mandato de Flordelis – Este é o título de outra chamada de primeira página no Estadão que está circulando. O que, a seu ver, levou os colegas a interromperem a tradição de impunidade corporativista ao julgarem a deputada acusada de ter mandado matar o próprio marido

6 – Morre, aos 84 anos, o ator e diretor Paulo José – Este é o título de mais uma chamada de primeira página do jornal. Qual foi a importância do ator gaúcho nas artes cênicas brasileiras de nossos tempos

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.