As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Valeixo confirma Moro

Ex-doretpr-geral da PF contou em depoimento no inquérito sobre acusações de Moro a Bolsonaro que presidente lhe disse por telefone que nada tinha contra ele e o demitiu porque precisa de alguém com "mais afinidade" no posto

José Nêumanne

12 de maio de 2020 | 19h36

Valeixo,  pivô do pedido de demissão de Moro, confirmou  que não formalizou nenhum pedido de demissão e que Bolsonaro lhe disse que o afastou por falta de “afinidade”. Foto: Denis Ferreira Netto/Estadão

O delegado Maurício Valeixo, ex-diretor-geral da Polícia Federal, em depoimento no inquérito do STF que apura denúncias de Sérgio Moro contra Jair Bolsonaro, disse que não tinha nada ‘contra a sua pessoa’, mas queria no comando da PF alguém com quem tivesse mais ‘afinidade’. Valeixo disse ainda que foi demitido por telefone e que não pediu para sair do posto. E Bolsonaro faz o que pode para evitar a divulgação do vídeo da reunião do Conselho de Governo em que ameaçou demitir Moro se este não substituísse Valeixo na direção-geral da PF. O presidente acha que o vídeo é de caráter privado e apenas o trecho da conversa com Moro deveria ser publicado para tirar dúvidas. Mas todo brasileiro tem direito de ver a gravação histórica. Se isso prejudica Bolsonaro, não é culpa nossa.

Assuntos do comentário de terça-feira 12 de maio de 2020:

1 – Haisem – Bolsonaro queria alguém com ‘afinidade’, diz ex-diretor da PF – é a manchete de primeira página do Estadão de hoje. Em que você acha que essa afirmação confirma a hipótese de que o presidente da República queria intervir politicamente na Polícia Federal

2 – Carolina – Sem vôos da FAB, presidente gastou 59% mais no cartão – é o título de uma chamada no alto da primeira página do Estadão. O que essa informação revela de relevante a respeito do conceito de público e privado do fundador da “nova política”, Jair Bolsonaro

3 – Haisem – Força e UGT propõem corte de salário como política para crise – É outra chamada no alto da primeira página do Estadão hoje. A proposta mostra realismo inédito das centrais sindicais. Será suficiente, a seu ver, para evitar um índice muito alto de falência das empresas e de desemprego de trabalhadores

4 – Carolina – Governo põe salões de beleza na lista de essenciais – Este é o título de outra chamada de primeira página no Estadão. E o ministro da Saúde, Nelson Teich, se disse surpreendido com a medida. Você diria que Jair Bolsonaro continua fiel a suas obsessões, mesmo que contrarie a realidade dos fatos, ou realmente está empenhado em garantir emprego

5 – Haisem – Quais são as novidades que traz seu artigo semanal no Blog do Nêumanne, intitulado Nostálgicos da ditadura, desde ontem publicado no Portal do Estadão

6 – Carolina – O que você tem a dizer sobre a notícia de que o Ministério Público de São Paulo mira manifestantes que participaram de ato contra o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes em frente à casa dele

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.