Urnas viciadas

Urnas viciadas

Suspeitas de corrupção nas campanhas questionam legitimidade de Dilma

José Nêumanne

28 de julho de 2016 | 09h01

Casal Feira na Polícia Federal

Casal Feira na Polícia Federal

Medidas ditatoriais de Erdogan na Turquia e do chavismo na Venezuela são exemplos claros de que somente o fato de ter sido escolhida por legítima e soberana decisão popular não justifica a insistência de Dilma em se dizer invulnerável ao impeachment, pois essa pode não ser uma verdade absoluta. Afinal,  suas duas campanhas eleitorais têm sido alvo de investigação policial e procedimentos judiciais que põem em dúvida a lisura da contabilidade das campanhas, mercê de processos na Justiça Eleitoral e do depoimento do marqueteiro João Santana, com indício de terem as urnas sido viciadas por emprego de dinheiro furtado ou lavado por empreiteiras suspeitas e empresas fantasmas.

(Comentário no Estadão no Ar da Rádio Estadão – FM 92,9 – na quinta-feira 28 de julho de 2016, às 7h11m)

Para ouvir clique aqui e, aberto o site da emissora, 2 vezes no play sob o anúncio em azul

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.