Uma vida bem contada
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Uma vida bem contada

Escritor, jurista, político e ex-chanceler narra episódios importantes da história do Brasil dos quais teve participação de protagonista com elegância de estilo que torna a leitura, além de útil, agradável

José Nêumanne

03 de fevereiro de 2019 | 16h49

Obra do sul-africano William Kentridge, que usou páginas de livros para homenagear os escritores, inclusive alguns brasileiros

A publicação mais imponente (1.789 páginas) e importante do mercado editorial brasileiro em 2018 – ano marcado no setor pelos pedidos de recuperação judicial das Livrarias Saraiva e Cultura – foi a reedição num só volume das memórias do político, jurista, ex-chanceler e literato mineiro Afonso Arinos de Melo Franco, A Alma do Tempo. Disponível também em edição digital à venda na Amazon, esta reedição com capa dura, lombada de 7,2 cm, vários textos introdutórios de expoentes da crítica, é um empreendimento de fôlego hercúleo, heroico e quase insano da editora Topbooks. A casa de José Mario Pereira, cujo primeiro grande sucesso foi outro volume de memórias de um homem público, A Lanterna na Popa, de Roberto Campos, edita mais um texto essencial para a compreensão da vida política, social e econômica do Brasil contemporâneo. Esgotada há quatro decênios a edição original em cinco tomos, a obra foi escrita numa língua portuguesa elegante, escorreita e canônica, à altura dos melhores entre os escritores que foram seus pares na Academia Brasileira de Letras (ABL).

Afonso com o político udenista Milton Campos e o poeta Manuel Bandeira. Reprodução: Editora Topbooks.

 

Quando a empreendeu, em sua casa na rua Dona Mariana, em Botafogo, no Rio, Afonso Arinos já era reconhecido como estilista de gênio por duas biografias clássicas. A primeira é Um Estadista da República, sobre seu pai, Afrânio de Melo Franco, uma espécie de paródia republicana e familiar do clássico de nossas letras Um Estadista do Império, de Joaquim Nabuco, retrato do reinado de dom Pedro II a partir da vida do próprio genitor, Nabuco de Araújo. Outra obra capital dele no gênero foi Rodrigues Alves, relato biográfico em dois volumes. O interessante nesta obra-prima da crônica política da Velha República é que biógrafo e biografado têm suas vidas cruzadas (e não “paralelas”, como as narradas por Plutarco) duas vezes. A primeira delas: a mulher de Afonso, Anah, era neta de Rodrigues Alves. A outra é um dos mais singulares episódios da História do Brasil. O paulista foi eleito presidente da República duas vezes. Cumpriu o primeiro mandato, mas por ter morrido, vitimado pela gripe espanhola, não foi empossado pela segunda vez e foi substituído pelo vice mineiro, Delfim Moreira, clássico exemplo da aliança café (de São Paulo) com leite (de Minas). Sepultado o chefe do governo, contudo, ficou patente a doença mental do substituto legal. E as oligarquias, que manejavam os cordéis republicanos à época, encontraram uma solução salomônica, entregando o governo de fato, antes da eleição de Epitácio Pessoa, a um ministro de confiança do morto e do sobrevivente: Afrânio de Melo Franco, pai de Afonso Arinos. Este, ainda imberbe, avistou na casa familiar no Posto 6 de Copacabana, onde testemunhou a histórica Revolta dos 18 do Forte, uma cena trágica e inesquecível. Enquanto a mãe e o irmão Cesário morriam de febre espanhola, o pai, à beira dos leitos da esposa e do filho em agonia, resolvia negócios do governo republicano.

Vale a pena reproduzir neste texto um parágrafo da descrição feita pelo autor a esse respeito. Ele escreveu: “Ora, tal situação não podia deixar de repercutir na nossa casa. Esta, apesar das condições trágicas em que se encontrava a família, passou a viver cheia, dia e noite, não só de amigos verdadeiros, mas também de políticos cerimoniosos, de altos funcionários, bem como de aduladores e oportunistas habituais em tais ocasiões, que surgiam farejando vantagens e alardeando serviços ao poderoso ministro”. O Brasil era, pois, idêntico ao que é hoje.

Afonso no dia de sua posse na Academia Brasileira de Letras. Reprodução: Editora Topbooks

Para o estudioso e interessado em História, a pena de Afonso Arinos recolheu vívidas impressões sobre a austera, mas apenas remediada, e não nababesca, elite mineira, com quem conviveu de forma íntima e familiar. Entre os episódios mais interessantes narrados ao correr da pena no cartapácio destacam-se um encontro fortuito na infância e um convívio parlamentar longevo com um dos mais poderosos políticos da primeira metade do século 20. Criança, antes da Revolução de 1930, que pôs fim à era das primícias republicanas, foi levado a um passeio de trem com o então ainda presidente da província de Minas (seria depois da República), Artur Bernardes. Enquanto Afrânio e seus companheiros de passeio proseavam no trem, o cavalheiro, isolado, recebia um a um, convidados a se sentarem ao seu lado.

Deixemo-lo narrar o caso. “Fiquei espantado quando o chefe do trem veio procurar-me, em nome do presidente. Fui logo e Bernardes mostrou-me uma cadeira a seu lado, onde me sentei, entre divertido e receoso. O presidente curvou-se um pouco para me ver melhor, perscrutou-me por detrás de seu pince-nez enfumaçado, de chapéu-coco na cabeça, todo limpo e esticado. Depois, em voz baixa, como se estivéssemos confidenciando coisas graves, perguntou-me pelo colégio, pelos estudos, pelos professores, insistindo, particularmente em saber por que eu não me matriculara no ginásio de Belo Horizonte. Nossa conversa demorou bastante, até que ele me despediu, desta vez risonho, com um cordial aperto de mão”. Afonso Arinos testemunhou o período presidencial do mineiro, marcado por um longo estado de sítio. Curioso é pensar que o gestor a quem foi atribuída uma frase que virou provérbio – “aos amigos, tudo; aos inimigos, o rigor da lei” – conviveria na velhice com Afonso, já na maturidade, no plenário da Câmara dos Deputados no belo Palácio Tiradentes, no Rio.

Afonso face a face com seu maior adversário, Getúlio Vargas. Reprodução: Editora Topbooks

O autor ainda participou do episódio sangrento protagonizado pelo caudilho que liderara a dissolução da aliança do café com leite: Getúlio Vargas. Líder da União Democrática Nacional (a UDN, partido político nascido do “manifesto dos mineiros” para se opor ao Estado Novo do gaúcho), o filho de Afrânio fez um discurso a que se atribui o motivo pelo qual o então presidente eleito pelo povo em 1950 resolveu atirar no próprio peito para “sair da vida e entrar na História”. Quando presidia o Senado, Antônio Carlos Magalhães editou uma coleção de CDs com os pronunciamentos mais importantes da Casa e o incluiu na antologia. O orador, contudo, recolheu-se à humildade de tribuno consagrado ao registrar nas memórias uma de suas famosas diatribes contra Vargas. “Na verdade o discurso, embora longo, não teve nada de propriamente novo. Apenas colocou em termos que então me pareciam mais acertados, e que ainda me parecem válidos, a realidade histórica daqueles difíceis dias”. Em seguida, copiou as notas taquigráficas do pronunciamento que sacudiu a História recente do Brasil em sua maior tragédia. “Unidos em torno das instituições, salvaremos o Brasil: divididos pelo ódio, mergulharemos a pátria na escuridão”. Retirado do contexto histórico, 65 anos depois, soa como uma prudente (e sábia) profecia.

Afonso com o também mineiro e memorialista Pedro Nava. Reprodução: Editora Topbooks

Como dirigente da UDN, Afonso Arinos apoiaria a eleição de Jânio Quadros, que, feito presidente, o nomeou chanceler, mesmo sem ter ele feito carreira diplomática. Como chefe do Itamaraty, tentou evitar a crise da democracia posterior à saída de Jânio, sugerindo ao então presidente do Congresso, Auro de Moura Andrade, “a recusa da renúncia” — “cujas consequências”, observa, “eu logo entrevi, dadas a ausência de Goulart e a oposição que se formaria contra sua posse”. Seu telex não foi recebido e a História seguiu seu rumo implacável: o parlamentarismo imposto e o golpe que depôs o vice empossado.

Na saborosa leitura do pesado volume encontram-se, além de fatos, retratos impecáveis de grandes brasileiros com quem conviveu. Ele, que saudou o genial romancista Guimarães Rosa em sua entrada na ABL, fez perfis admiráveis, destacando-se as páginas em que falou da morte de Santiago Dantas e de Carlos Lacerda, seu companheiro na guerra de espadachins retóricos contra o PTB de Getúlio. Sobre o segundo é o caso de recorrer a seu estro para concluir este texto. “Carlos era feito para o triunfo na vida política e o prazer na vida pessoal. Não direi felicidade, porque é coisa indefinível e, no caso de certos santos, existe no próprio sofrimento”.

A Alma do Tempo é o documento de uma vida de relevo descrita com raras maestria psicológica e elegância estilística.

A Alma do Tempo
Autor: Afonso Arinos de Melo Franco
Editora: Topbooks
1.789 páginas R$ 249,70
(O volume reúne cinco livros publicados entre 1961 e 1979)