Um golpe no ar

Um golpe no ar

Contra a vontade de quase todos, Lewandowski sustenta Dilma enquanto pode

José Nêumanne

18 de julho de 2016 | 10h29

Lewandowski mexe os pauzinhos

Lewandowski mexe os pauzinhos

Mais de dois terços da Câmara, do Senado e da população querem ver Dilma pelas costas. Mas um pouco menos de um terço do povo, dos senadores e dos deputados federais que exigem que ela fique contam com uma ajuda poderosa – a do presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, que tem feito o possível para empurrar o processo com a barriga até a primeira quinzena de novembro, quando acaba o prazo do Senado para julgá-lo. Para tanto, já se argumenta até que sua sucessora no alto posto a partir de 10 de setembro, Carmen Lúcia, não tem acompanhado os trâmites todos como ele, que assumiu o caso em abril.

(Comentário do Direto da Redação da Rádio Estadão – FM 92,9 – da segunda-feira 18 de julho de 2016, às 7h10m)

Para ouvir clique no link abaixo e, aberto o site da emissora, no play sob o anúncio em azul

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.