Turismo insano
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Turismo insano

Na tragédia carioca todos se omitem e ninguém assume responsabilidade sobre nada

José Nêumanne

24 de outubro de 2017 | 11h18

Motorista Carlo Zanineta na delegacia depõe sobre fuzilamento da turista  na Rocinha Foto: Wilton Júnior/Estadão

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, tentou transferir a responsabilidade pela execução da turista espanhola pela PM na Rocinha para o governo federal. Trata-se de uma leviandade de alguém que não estava preparado para assumir cargo tão importante em momento tão dramático. Se ele tivesse aprendido o bê-a-bá da gestão pública teria sido informado de que segurança não é assunto federal, mas estadual. E que lhe cabia, como gestor responsável, proibir essas visitas de turistas a “comunidades”, principalmente no caso da Rocinha em plena guerra pelo controle do tráfico de entorpecentes. A tragédia foi produzida pela irresponsabilidade com que o Rio tem sido administrado e o resto do país nada tem a ver com isso.

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na terça-feira 24 de outubro de 2017, às 7h30m)

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Para ouvir Tô Feliz (Matei o Presidente) 2, com Gabriel O Pensador, clique aqui

 

Abaixo, a íntegra da degravação do comentário:

Eldorado 24 de outubro de 2017 – Terça-feira

A turista espanhola Maria Esperanza Jiménez Ruiz, de 67 anos, foi morta a tiros por policiais militares quando saía de carro da favela da Rocinha, na zona sul do Rio. Da para ter sido evitada essa tragédia?

Segundo a polícia, o veículo furou um bloqueio feito pelos agentes. Os dois PMs envolvidos no caso foram presos ainda nesta segunda. Entre janeiro e agosto, houve 712 vítimas de letalidade policial no Estado – quase três por dia. A alta é de 29,9%, ante o mesmo período de 2016.

Segundo a PM, o motorista que levava a turista, o italiano Carlo Zanineta, de 42 anos, furou um bloqueio policial, e, por isso, os PMs atiraram contra o veículo. Em depoimento, ele disse não ter visto os policiais e não entendeu que deveria parar. Mais cedo, dois PMs haviam sido baleados em confronto com tiros, o que contraindicava o passeio na comunidade – onde facções rivais disputam o tráfico de drogas.

O crime aconteceu por volta das 10h30. Maria Esperanza estava com o irmão, Jose Luiz Ruiz, de 70 anos, e a cunhada, Rosa Margarita Fernandez. Também estavam no veículo a guia Rosângela Reñones, brasileira que atua como freelancer e o motorista Zanineta, com vivência no Brasil. Ele teria sido contratado por uma empresa de turismo estrangeira. Além de Maria, ninguém mais foi ferido.

Vi ontem no noticiário da televisão o prefeito Marcelo Crivella tentando transferir a responsabilidade pela tragédia carioca para o governo federal. Trata-se de uma leviandade de alguém que não estava preparado para assumir cargo tão importante em momento tão dramático. Se ele tivesse aprendido o beabá da gestão pública teria sido informado de que segurança não é assunto federal, mas estadual. E que lhe cabia, como gestor reponsável, proibir essas visitas de turistas a “comunidades”, principalmente no caso da Rocinha em plena guerra pelo controle do tráfico de entorpecentes. A tragédia foi produzida pela irresponsabilidade com que o Rio tem sido administrado e o resto do país nada tem a ver com isso.

O juiz da 7ª Vara Federal Criminal, Marcelo Bretas, determinou o encaminhamento do ex-governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB) para um presídio federal. O que motivou essa medida inesperada}

A decisão foi tomada a pedido do procurador Sergio Pinel, em nome do Ministério Público Federal (MPF). Ainda não foi escolhida a prisão para onde será transferido o ex-governador, que está detido na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte da capital fluminense.

O procurador fez a manifestação depois que de Cabral citou, em depoimento nesta segunda-feira, 23, que Bretas tem familiares que vendem bijuterias. Vamos ouvir sonora do momento.

SONORA 2410 A CABRAL

O pedido foi aceito por Bretas que disse que a declaração poderia até ser subentendida como ameaça. “É no mínimo suspeito e inusitado o acusado, que não só responde a esta processo como outros, venha aqui trazer em juízo informações sobre a rotina da família do magistrado. Além de causar espécie, como bem observou o MPF, de que apesar de toda a rigidez ele tenha se privilegiado de informações que talvez ele não devesse”, disse Bretas. O depoimento teve alguns momentos tensos.

SONORA 2410 B CABRAL

O advogado de defesa de Cabral, Rodrigo Roca, reclamou que a decisão do juiz “vai dificultar o exercício da defesa que já estava difícil tamanho o número de processos contra ele”, argumentou.

É impressionante a arrogância do ex-governador. Mas mais ainda a burrice dele. Em vez de dissuadir o cliente desse tipo de atitude estúpida, a defesa se agarra a argumentos de igualo grau de estupidez. O que é que nós temos a ver com o excesso de processos contra Cabral. Ele é que foi responsável por isso pelo seu alto grau de delinqüência. E por que temos de nos preocupar com os deslocamentos dos advogados? Eles devem estar sendo bem pagos pra isso. Então, a burrice parece ser epidêmica no caso.

Em entrevista ao jornal espanhol El Mundoo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que os eleitores da ex-presidente Dilma Rousseff  se sentiram traídos após o ajuste fiscal promovido pela petista após as eleições de 2014. O que deu no Lula?

Lula não disse que Dilma traiu seu eleitorado, como havia sido publicado anteriormente pelo próprio El Mundo. O jornal espanhol também alterou o conteúdo do texto em sua versão online.

“As pessoas se sentiram traídas, porque não era aquilo que a gente tinha prometido durante a campanha”, afirmou Lula.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva começou nesta segunda-feira, 23, em Ipatinga, em Minas, a segunda etapa da caravana que vem fazendo pelo País reafirmando que, se eleito, vai fazer um “referendo revogatório” para extinguir medidas tomadas pelo governo Michel Temer e pedindo para que a população não vote “nesse bando de picaretas” que cassou Dilma Rousseff.

Lula escolheu e impôs Dilma aos miquinhos amestrados do PT e quem não é do partido nada tem que ver com isso. Mas não foi ele quem a elegeu, nem o PT. Dilma foi eleita pela aliança com o PMDB, que pôs Temer na chapa. Sem esse apoio ela não teria nem chegado ao segundo turno nas duas eleições em que derrotou o PSDB, cujos candidatos Serra e Aécio também contribuíram com suas campanhas mal feitas e seu desempenho pífio para as duas vitórias. Lula mente tanto que não consegue enxergar a verdade. A política de desoneração dos empresários amigos é apenas uma versão atenuada do verdadeiro desastre que foi o uso do BNDES para enriquecer amigos e ficar mais rico junto. O resto é lorota. Quanto ao ajuste fiscal, ele era necessário naquela época e é muito mais hoje. O Brasil quebrou e Dilma caiu porque o PT e seus aliados, em especial o PMDB de Temer, roubaram demais, esvaziaram os cofres da República.

Segundo reportagem de Cristiane Jungblut, do Globo, as negociações do presidente Michel Temer com os deputados para garantir que a segunda denúncia da Procuradoria-Geral da República seja sepultada na Câmara esta semana envolveram pelo menos R$ 12 bilhões. Em que ela baseou este cálculo?

A reportagem mostra que, além de cargos e benesses de valor inestimável, como a mudança no combate ao trabalho escravo, só de emendas parlamentares pagas desde o início de setembro foram R$ 881 milhões. Gouve ainda uma frustração de receita com o novo Refis, estimada até o momento em R$ 2,4 bi; a desistência de privatizar Congonhas no ano que vem, cuja outorga era estimada em R$ 6 bi, e, por fim, a possibilidade de abdicar de R$ 2,8 bi com a anistia de parte das multas ambientais prevista no decreto editado na segunda-feira.
O Palácio do Planalto acelerou a liberação de recursos para o empenho de emendas parlamentares obrigatórias desde setembro, quando apareceu a segunda denúncia contra Temer. Foram R$ 881,3 milhões em menos de dois meses, sendo R$ 607,9 milhões apenas nos primeiros 21 dias de outubro e R$ 273,4 milhões em setembro. No final da semana passada, grandes volumes foram liberados para deputados e senadores: R$ 122,4 milhões na sexta-feira e ainda R$ 53,2 milhões no sábado, segundo os dados da Comissão Mista de Orçamento (CMO).

Desde a primeira denúncia, o governo já empenhou R$ 5,1 bilhões, sendo R$ 4,28 bilhões apenas com os 513 deputados. Na prática, já foi gasto quase tudo do que está previsto para o ano, que é de R$ 6,1 bilhões com o contingenciamento. Mas Temer resolveu ampliar a promessa e, segundo aliados, quer esquecer este contingenciamento e retomar o valor original destinado às emendas parlamentares, que é de R$ 9 bilhões no Orçamento de 2017. Se Temer fizer isso, cada um dos 513 deputados e 81 senadores vai ganhar uma cota de R$ 15 milhões e não os R$ 10,7 milhões fixados depois do corte.

— Ele prometeu voltar aos R$ 15 milhões para cada um e empenhar tudo até 30 de novembro — disse um integrante das negociações com a base aliada.

As emendas individuais de deputados e senadores têm caráter obrigatório, ou seja, devem ser pagas. Mas o ritmo desse empenho é o governo quem dita, conforme as conveniências políticas. O empenho é apenas uma promessa de pagamento futuro dos gastos com obras nas paróquias dos políticos. A segunda denúncia contra Temer foi encaminhada pelo ex-procurador Rodrigo Janot ao Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 14 de setembro. Até o dia 13, haviam sido empenhados R$ 52,7 milhões. Desde então, foram R$ 828,6 milhões.

Aliados dizem que o Planalto ainda nomeou para os cerca de 20 cargos que estavam represados desde a primeira denúncia. Mas o governo abriu mão de bilhões ao atender a pedidos de aliados, desistindo de privatizações e ampliando benesses a devedores na nova Medida Provisória do Refis e ainda com o decreto que reduz multas de crimes ambientais.

O governo já perdeu R$ 2,4 bilhões com as concessões feitas no âmbito do Refis (programa de refinanciamento de dívidas junto à União), porque a arrecadação esperada era de R$ 13,3 bilhões e agora está em R$ 10,9 bilhões. A Receita chegou a estimar o prejuízo em R$ 5 bilhões. A conta de R$ 2,4 bilhões pode aumentar, a depender no texto final do novo Refis. Mas a perda maior em termos de arrecadação se refere à desistência da privatização do aeroporto de Congonhas: R$ 6 bilhões eram esperados no leilão. O governo desistiu para agradar ao PR do ex-deputado e ex-presidiário Valdemar Costa Neto, que comanda o setor.

Dois dias antes de o plenário da Câmara enfrentar a denúncia, Temer assinou ontem um decreto que dá descontos de até 60% em multas ambientais ainda não pagas, que serão convertidas em prestação de serviços na área ambiental. A perda de receita chegará até R$ 2,76 bilhões. Ontem, a bancada ruralista, a maior do Congresso, comemorava o novo aceno, depois de já ter conseguido mudar as regras sobre trabalho escravo.

A justificativa do governo, descrita no site do Ministério do Meio Ambiente, é que a medida vai destravar cerca de R$ 1,2 bilhão represado, que será aplicado na compensação ambiental.

A conta é grande e a conta é curta.

SONORA Matei o presidente 2 Gabriel o Pensador

https://www.youtube.com/watch?v=cBiKePi3QMY

 

Tendências: