Torre de Babel no Planalto
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Torre de Babel no Planalto

Diretora de Proteção de Território da Funai repete ex-presidente da Agência de Proteção à Exportação recusando-se a deixar cargo, do qual foi demitida por Moro, alegando sentir-se no governo do PT e perseguida

José Nêumanne

15 de janeiro de 2019 | 07h07

Territórios indígenas não estão em questão na polêmica sobre demissão de diretora da Funai, que se recusa terminantemente a largar o osso. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Primeiro foi Alex Carreiro, que não falava inglês e, indicado pelo PSL para agência de promoção de exportações, só aceitou ser demitido por Bolsonaro. Agora é a vez de Azelene Inácio que, demitida por Moro da Diretoria de Proteção de Território da Funai, se recusa a deixar o cargo, por agora ser subordinada de Damares Alves. Ela diz que se sente no governo do PT e que é perseguida pela atual cúpula federal. E, enquanto não se resolve mais esse vexame surrealista burocrático, a impressão é de que o fundamentalismo bíblico está tão arraigado na Esplanada dos Ministérios na atual gestão que parece um tipo de encenação real do episódio da construção da Torre de Babel. Este é meu comentário no Estadão Notícias, no Portal do Estadão, desde 6 horas de terça-feira 15 de janeiro de 2019.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no player