Toffoli mente na cara dura
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Toffoli mente na cara dura

Toffoli protege filho de Bolsonaro, seu ex-assessor, investigados do PT e do PCC, Greenwald, Lula e outros chegados, mas usa pretexto de evitar Estado fascista e policial para facilitar lavagem de dinheiro

José Nêumanne

18 de julho de 2019 | 17h35

Procuradora-geral da República se diz preocupada com pressa do presidente do STF de cancelar inquéritos de lavagem de dinheiro que ameaçam protetores. Foto: Nelson Jr./SCO/STF

Já que tinha tanta pressa em bajular Bolsonaro livrando o primogênito dele de investigação do MP do Rio, Toffoli poderia ter agendado reunião plenária do STF para julgar pedido da defesa do senador Flávio. Mas ele preferiu ganhar tempo e tomar uma decisão monocrática sem submetê-la aos pares, com risco de não ser apoiado. Com reunião marcada para discutir o mérito para daqui a quatro meses, em novembro. E mente na cara dura falando em defesa do cidadão, como se em algum momento em que o Coaf compartilhou dados bancários de suspeitos investigados por PF e MP tenha havido quebra de sigilo bancário, que não houve. É o fim da picada usar o cidadão inocente e espoliado como máscara para proteger quem de fato sua medida protege: Flávio Bolsonaro, Fabrício de Queiroz, Lula, Glenn Greenwald, PT e outros sob suspeita, Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Tendências: