As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tchau, Toffoli, já vai tarde

Ministro deu provas de que participa de nefasto acordão com chefes do Executivo e do Legislativo e sai do Judiciário, elogiado pelos parceiros de tramoia e impopular com toda justiça

José Nêumanne

11 de setembro de 2020 | 21h23

Toffoli sai da presidência do STF deixando acordos espúrios com outros Poderes para ajudar chefões partidários que o promoveram numa carreira sem méritos. Foto: Nelson Jr./SCO/STF

Após ter dado demonstrações explícitas de ter participado de um nefasto acordão com os chefões dos Poderes Executivo, Jair Bolsonaro, e Legislativo, Davi Alcolumbre e Rodrigo Maia, o ex-presidente do STF Dias Toffoli acaba de se despedir do comando sobre a agenda da cúpula do Poder Judiciário. O presidente da República compareceu pessoalmente ao adeus, levando a tiracolo o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, e o advogado-geral da União, José Levy Amaral Júnior, marido de uma assessora do ministro do STF Gilmar Mendes. O que se espera depois dos resultados funestos realizados ou prenunciados é que o presidente, empossado nesta quinta-feira, 10 de setembro, no STF, Luiz Fux, cumpra seu compromisso com um diálogo sem subserviência como prometeu, para felicidade geral dos verdadeiros cidadãos de bem desta Nação abandonada à própria desgraça. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: