Tchau, cabrão!
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tchau, cabrão!

Para suportarem melhor próprio fracasso, perdedores da eleição escolheram vencedor Bolsonaro como culpado por todas as falsetas e traições que eles mesmos cometem e cometerão este ano

José Nêumanne

12 Novembro 2018 | 18h38

Bolsonaro conversou com Sílvio Santos, em seu programa beneficente anual Teleton para arrecadar doações para Apae. Foto: SBT

Os derrotados na eleição de outubro encontraram um meio de suportar o próprio fracasso: põem em Jair Bolsonaro a culpa de tudo de mal que eles mesmos fazem ou das derrotas que também eles nos infligiram. A um mês e meio de ser empossado, o presidente eleito foi dado como derrotado pela votação em que senadores, alguns dos quais pretendentes à condição de “varões de Plutarco”, tornaram lei o infame reajuste dos subsídios dos 11 ministros do STF, acertado por Dias Toffoli em telefonema para o presidente do Senado, Eunício Oliveira, que se despede da Casa, após ter sido impedido de ficar mais oito anos na Casa por decisão sábia e justa dos eleitores de seu Estado do Ceará. Tchau, cabrão!

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

 

 

Assuntos para o comentário da segunda-feira 12 de novembro de 2018

 

1 – Haisem – Você acha que o presidente Jair Bolsonaro agiu bem ou mal ao desmarcar reuniões que já tinha agendado com os presidentes do Senado, Eunício Oliveira, e da Câmara, deputado Rodrigo Maia, para esta semana em Brasília?

 

2 – Carolina – Você acredita que a decisão do Senado de reajustar os subsídios dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal foi uma derrota para o presidente eleito, Jair Bolsonaro. E, se foi, quem, então, a seu ver, teria sido o vencedor?

 

3 – Haisem – Por que será que o ex-presidente Fernando Henrique continua se dizendo tão chateado com a prisão de seu sucessor, Lula, conforme voltou a afirmar, desta vez em entrevista ao jornal argentino Clarin. E isso terá alguma coisa a ver com a constatação feita pelo jornal O Globo de que  o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski teria ficado muito “desolado” com o resultado das eleições de outubro?

 

4 – Carolina – Você concorda com a afirmação feita pelo advogado do Estadão, dr. Manuel Alceu Afonso Ferreira, em entrevista ao mesmo jornal, de que a derrubada da censura da publicação da Operação Boi Barrica, protagonizada pelo empresário Fernando Sarney, filho do ex-presidente José Sarney, deve servir de alerta para aqueles que têm pendores tirânicos?

 

5 – Haisem – Em que você acha que pode ajudar às investigações da Operação Lava Jato sobre a questão da ocultação de patrimônio e de recebimento de propina de empreiteiras por Lula para reformar o sítio Santa Bárbara em Atibaia, o depoimento dado pelo delator premiado da OAS Paulo Gordilho, tomado pela juíza federal Gabriela Hardt, substitua do juiz Sérgio Moro na 13.ª Vara Federal de Curitiba?

 

6 – Carolina – Você acredita que a defesa do marchante Joesley Batista poderá ter chance de sucesso no pedido apresentado anteontem à desembargadora Mônica Sifuentes, do Tribunal Federal Regional da 1.ª Região, em Brasília, que aceitou os pedidos de prisão de seu cliente feitos pelo Ministério Público Federal no âmbito da Operação Lava Jato?

 

7 – Haisem – Quais teriam sido os motivos e quais poderão ser as conseqüências da escolha do economista Joaquim Levy, ex-ministro da Fazenda de Dilma Rousseff, para presidir o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social no futuro governo de Jair Bolsonaro?

 

8 – Carolina – Que conseqüências terão sobre a definição do futuro campeão brasileiro, que você tem dito aqui que será inevitavelmente o Palmeiras, a derrota do Flamengo, combinada com os empates de São Paulo e Internacional na 33.ª rodada, a cinco rodadas da última?