Tarde demais para Lula

Tarde demais para Lula

Pedido de liberdade para petista com argumento da indicação de Moro por Bolsonaro para Ministério da Justiça chega, enfim, à desejada 2.ª Turma do STF, mas só depois que Toffoli saiu e selou destino do réu

José Nêumanne

21 de novembro de 2018 | 07h12

Pedido de Lula vai à 2.ª Turma do STF, o que a defesa tanto exigia, mas com Toffoli fora e agora convencido de legalidade de sua prisão. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O relator da Operação Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, pediu parecer da Procuradoria-Geral da República a respeito do recurso por liberdade apresentado pela defesa de Lula e por ele encaminhado a julgamento na Segunda Turma. O argumento desta vez é que o juiz que o condenou aceitou o Ministério da Justiça ao qual foi indicado pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, que derrotou o petista na eleição presidencial. Até que enfim, os advogados do ex alcançaram o objetivo de serem julgados pelo plenário que mais favorece corruptos, mas parece ter perdido o timing: a composição da turma é outra, o pedido não obedece a uma lógica temporal e até Toffoli já selou o destino do réu. Este é meu comentário no Estadão Notícias, no Portal do Estadão desde 6 horas da quarta-feira 21 de novembro de 2018.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no player

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.