Supremo cangaço
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Supremo cangaço

Com saraivada de insultos contra agentes do Estado encarregados de acusar delinquentes em nome do Estado, Gilmar Mendes cumpre sua missão de soltar maganões tucanos e imitar Lampião concedendo-lhes salvos-condutos

José Nêumanne

18 de março de 2019 | 06h49

Gilmar insiste na convicção de que a vaga no STF o põe acima dos mortais comuns. Foto: Nelson Jr/SCO/STF

Em seu estilo rotineiro e habitual, sempre fora dos mínimos padrões da educação e do respeito humano, o ministro do STF Gilmar Mendes comemorou no fim de semana sua vitória no plenário de sua grei na quinta-feira com habeas corpus e salvos condutos para dois maganões tucanos. Foram mais uma vez beneficiados o ex-governador do Paraná Beto Richa e seu contador, não apenas com a outorga da liberdade de ambos, mas também com a garantia vinda de cima de que nenhum juiz de primeira instância poderá cometer a suprema ousadia de voltar a puni-los na forma da lei. Esse disparate de ofender funcionários públicos no cumprimento de seu dever de ofício para beneficiar um figurão da política ressuscita métodos do cangaço, tornando-o o Lampião do Judiciário. Este foi meu comentário no Estadão Notícias, no Portal do Estadão desde 6 horas da segunda-feira 18 de março de 2019.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.