STF sem moral nenhuma

STF sem moral nenhuma

Votação iniciada ontem no plenário servirá para desmoralizar ainda mais STF pela insistência com que metade dos ministros tenta garantir liberdade a perder de vista para nobres da aristocracia política e seus advogados ricaços

José Nêumanne

23 de outubro de 2019 | 20h29

Toffoli e Marco Aurélio, com ajuda de Gilmar, estão sempre forçando a barra para defender figurões da alta aristocracia política e seus advogados ricaços. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Seja qual for o resultado final da votação iniciada hoje no plenário para manter ou cancelar a jurisprudência que autoriza o início de cumprimento de pena de condenados da segunda instância, o STF sairá dela mais desmoralizado do que já é. Basta a evidência de que esta é a quinta vez em dez anos em que julgam o que já julgaram antes – duas por ano, em defesa exclusiva de interesses de bandidos do colarinho-branco e seus advogados milionários, pois o cidadão comum não se beneficia em nenhuma das opções em votação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.