STF ouvirá grito do povo?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

STF ouvirá grito do povo?

Quem paga altos salários de ministros do STF não estão nada satisfeitos com serviço deles para advogados milionários de bandidos de colarinho-branco, mas isso não influi em nada

José Nêumanne

22 de outubro de 2019 | 11h49

Mesmo tendo votado pelo trânsito em julgado na primeira discussão, Rosa tem mantido decisão do colegiado e, se for coerente, seu voto será muita importante na contagem final. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Os telefones nos gabinetes dos ministros do STF não param de tocar e chovem e-mails em seus computadores e celulares contra a extinção da jurisprudência que permite o início de cumprimento de pena de condenados em segunda instância. Os caminhoneiros ameaçam sitiar a sede do Poder Judiciário, em Brasília. A pressão é legítima. Primeiramente porque o Estado de Direito se põe a serviço do cidadão e não dos advogados de bandidos de colarinho-branco, a que servem os 11 ministros da instituição. Desde que não haja violência física, a pressão é legítima. O que não quer dizer que a cúpula do Judiciário escute. Quem paga quer conferir se tem voz.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário da terça 22 de outubro de 2019

1 – Haisem – Segundo chamada no alto da primeira página do Estadão STF sofre pressão para manter prisão em segunda instância. Até que ponto a pressão popular pode virar o placar previsto de sete a quatro a favor da mudança da jurisprudência de prisão após segunda instância no Supremo Tribunal Federal na sessão, que pode terminar ainda esta semana

2 – Carolina – Que obstáculos você enxerga para a solução alternativa, proposta pelo presidente do STF, ministro Dias Toffoli, para adiar o início do cumprimento da prisão a partir da condenação em terceira instância

3 – Haisem – Que sinal dá para a decisão sobre segunda ou terceira instância a decisão do decano do STF, Celso de Mello, de não conhecer denúncia do deputado Paulo Pimenta, do PT, contra Deltan Dallagnol

4 – Carolina – Eduardo vira líder do PSL e destitui 12 vice-líderes – registra o Estadão na dobra de cima da primeira página. O que tem a ver o “puxadinho” da família, constatado pela deputada Joice Hasselman com a sugestão do presidente Bolsonaro para o filho Eduardo desistir da embaixada em Washington para resolver de vez a crise no PSL

SONORA_BOLSO 2210 B

5 – Haisem – A manchete do Estadão informa: FGTS e 13.º do Bolsa Família vão injetar R$ 14 bilhões para o Natal. O que dizer desta novidade

6 – Carolina – Até que ponto a confirmação da aprovação da reforma da Previdência no Senado nesta semana poderá melhorar o conturbado clima político no Brasil neste momento

7 – Haisem – Por que o governo resolveu enfim ajudar os voluntários a limparem as praias do Nordeste às vésperas do verão

SONORA_MOURAO 2210 A

8 – Carolina – Notícia de primeira página do Estadão dá conta de que  Presidente diz que Chile está em ‘guerra’; conflito deixa 11 mortos. Você se surpreendeu com a violência dos protestos naquele país nos últimos dias

 

 

Tendências: