STF dos “maçanetas”

STF dos “maçanetas”

Em um século STF abrigou grandes juristas, mas de 1988 para cá foram para lá lacaios das facções partidárias de Sarney, Collor, FHC, Lula e Dilma e ali atuam para os recompensarem pelo empregão que lhes devem

José Nêumanne

28 de novembro de 2019 | 17h53

Este trio – Sarney, Lula e Dilma – é responsável pela condução de 7 dos 11 ministros do STF e os outros 4 o foram por Collor, FHC e Temer. Foto: Ricardo Stuckert

O STF foi uma instituição fundada no início da República pelo jurista baiano Rui Barbosa para servir de poder “moderador” e, por isso, em seus mais de 100 anos foi composta em grande parte por juristas que fizeram história antes de tomarem assento em seu plenário. Depois da dita Nova República, contudo, os chefões das organizações criminosas partidárias tomaram conta do poder civil e passaram a nomear para os 11 cargos de alta relevância os “maçanetas” que abriam as portas de seus escritórios e gabinetes, passando, depois, a lhes prestarem serviços pelos empregos públicos mais poderosos e muitíssimo bem remunerados. Por isso, a instituição terminou perdendo o respeito do povo, que os sustenta. Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Para ver vídeo no YouTube clique aqui

Tudo o que sabemos sobre:

José Nêumanne PintoVídeo no YoutubeSTF

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.