STF dá uma de Chacrinha

STF dá uma de Chacrinha

Com prudência, Moro acalmou ânimos da defesa de Lula, eufórica com decisão do trio Parada Dura do STF mandando delações da Odebrecht para São Paulo, e do MPF, indignado com malandragem de "supremos"

José Nêumanne

27 de abril de 2018 | 14h39

Moro agiu com serenidade e razão ao jogar fria na fogueira ateada pelo STF no processo contra Lula Foto: Andre Penner, AP

Após havê-la negado três vezes, a primeira por decisão autocrática do relator Fachin e a última por unanimidade, a Segunda Turma do STF terminou acolhendo pedido da defesa de Lula para transferir delações da Odebrecht para São Paulo, dando uma de Abelardo Chacrinha Barbosa, que ironizava: “Vim aqui para confundir, não para explicar”. Foi preciso o juiz Moro atuar e pedir calma à defesa de Lula, que comemorava a decisão como se a atendesse retirando o processo do sítio e da sede do Instituto Lula, e ao Ministério Público, que não escondeu sua irritação com a mancada do Trio Parada Dura do STF. Este é meu comentário no Podcast Estadão Notícias, no Portal do Estadão, no ar desde as 6 horas da sexta-feira 27 de abril de 2018.

Para ouvir clique aqui

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.