República indiferente à espionagem do presidente

Projeto comum de impunidade torna Centrão, ministros afinados dos tribunais de Justiça e outros maiorais da República sócios da tentativa de Bolsonaro de espionar fiscais para proteger Flávio

José Nêumanne

26 de outubro de 2020 | 21h26

Indiferença de parlamentares, ministros de altos tribunais e outros pretensos defensores da democracia à tentativa de Bolsonaro de espionar fiscais da Receita para evitar descoberta de ilícitos fiscais do filho os torna cúmplices no crime. Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro participou de uma reunião, em 25 de agosto, com advogadas Luciana Pires e Juliana Bierrembach, que defrendem seu filho Flávio. O objetivo foi debater supostas “irregularidades das informações constantes de Relatórios de Investigação Fiscal” produzidos por órgãos federais sobre o senador. Também foram ao encontro o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, e o diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), . Alexandre Ramagem. A reunião não foi registrada na agenda oficial do presidente, mas foi revelada na sexta-feira, 23, pela revista Época e confirmada pelo Estadão. A revelação, que identifica espionagem de fiscais para beneficiar parente do presidente, é gravíssima, mas foi recebida por solene indiferença pelo Centrão e outras autoridades da insana República.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário da segunda-feira 26 de outubro de 2020

1 – Haisem – Bolsonaro envolve Abin e GSI em reunião com advogados de Flávio sobre ‘rachadinha’– Qual é a gravidade dessa notícia que veio à tona no noticiário do Estadão na sexta-feira 23 de outubro para abrir este seu comentário começando a semana

2 – Carolina – Bolsonaro sai do sério com preço do arroz – diz título de chamada de primeira página da edição impressa do Estadão hoje. O que ainda você pode dizer sobre mais esse episódio do seriado brasiliense “o presidente como ele é”

3 – Haisem – O que você sabe sobre o advogado até então desconhecido chamado Nylthamar Dias Ferreira Filho, que apareceu de forma inesperada e surpreendente no noticiário do Estadão sobre a Operação Lava Jato no Rio de Janeiro desde o fim da semana passada

4 – Carolina – Por que razão você não abordou um tema político, mas literário, no vídeo desta semana da série Nêumanne entrevista, falando do novo livro de Nélida Piñon, Um dia chegarei a Sagres, com essa autora carioca e da Academia Brasileira de Letras

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.