As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Renuncie, como Diab, Bolsonaro!

Se tivesse o mínimo de autocrítica, presidente brasileiro teria renunciado, como fez o primeiro-ministro do Líbano, incapaz de deter ondas de protesto nas ruas, mesmo durante a pandemia, mas não o fará

José Nêumanne

11 de agosto de 2020 | 20h49

Manifestantes, que dispararam fogos de artifício durante protestos em Beirute, levaram premiê Hassan Dia\b a demitir gabinete e renunciar ao governo do Líbano Foto: Thaier Al-Sudani/Reuters

Hassan Diab, primeiro-ministro do Líbano, não suportou a pressão do povo , durante a pandemia e uma grave crise econômica e política, com efeitos agravados pela explosão na área portuária de Beirute, que destruiu dez por cento da charmosa capital, demitiu o gabinete inteiro e renunciou. Enquanto isso, o último ditador da Europa, Aleksander Lukashenko, comemorou sua última vitória eleitoral na Belorus, por 80% a menos de 10% de votos dados à inesperada opositora, a professora de inglês Svetlana Tikhanovskaia, Nosso presidente. Jair Bolsonaro, manteve-se, então, no quarteto mundial que nega a gravidade da covid-19, ao lado dos ditadores da Nicarágua e do Turcomenistão. Poderia imitar Diab e por fim ao próprio goverrno com a renúncia, mas não o fará nem decerá ser alvo de um impeachment. Infelizmente! Direto ao assunto. Inté. E só a verdade nos salvará.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.