Recuo prudente
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Recuo prudente

Para evitar que MP que reduz total de 29 ministérios para 22 caducasse, Bolsonaro e Moro orientaram senadores a aprovarem decisão da Câmara transferindo Coaf do Ministério da Justiça para o da Economia

José Nêumanne

29 de maio de 2019 | 17h44

De Estoril, em Portugal, onde participava da conferência “Desafios globais, soluções locais”, Moro deu aval para bancada do Senado confirmar decisão da Câmara. Foto: Antonio Pedro Santos/EFE

Carta assinada pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, sepultou de vez a tentativa, que tinha tudo para prosperar no Senado, de devolver o texto aprovado da MP da reorganização dos ministérios com a decisão nele incluída por pequena maioria de 18 votos de devolver o Coaf do Ministério da Justiça, como constava da proposta original, para o da Economia. Só que o prazo fatal da MP está marcado para 3 de junho, próxima terça-feira, a mudança poderia tomar mais tempo do que o necessário para deputados federais voltarem atrás. Com prudência, o presidente e o ministro preferiram optar pela confirmação do texto aprovado pela Câmara para evitar que, tendo caducado a MP, o objeto da medida virasse pelo avesso e fossem ressuscitadas todas as 29 pastas da gestão de Temer.

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no player

Assuntos para o comentário de quarta-feira 28 de maio de 2019

1 – “Senado confirma que Moro perde o Coaf” é o título de uma chamada na primeira página do Estadão. Perder essa parada pode ter como consequência perda de poder para o presidente Bolsonaro e o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro

SONORA MORO 2905

2 – Carolina – Como você recebe as críticas que especialistas e políticos, principalmente parlamentares, têm feito às manifestações nas ruas das cidades brasileiras, em apoio ao governo Bolsonaro e às reformas que ele prometeu fazer a seus eleitores na campanha

3 – Haisem – O pedido feito pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para o relator da reforma da Previdência, que você acabou de citar em sua resposta a Haisem, antecipar seu relatório poderá ter sido um bom resultado do chamado pacto dos três Poderes anunciado depois do café da manhã dos presidentes desses Poderes no Palácio da Alvorada ontem, contrariando a crítica que você fez enquanto eles se reuniam

SONORA MAIA 2805

4 – Carolina – E o que você tem a dizer da possibilidade da MP do saneamento caducar e ser substituída por um projeto de lei preparado em sociedade entre Câmara e Executivo

5 – Haisem – Ontem, ao anunciar o café da manhã dos três presidentes de Poderes da República, você insistiu na necessidade de encerrar a bagunça institucional em que cada um deles tem interferido no “quadradinho” do outro e usou esse tema em seu artigo no Estadão de hoje. E agora, José?

6 – Carolina – Qual sua opinião sobre a convocação para o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, ir à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara  para explicar o decreto das armas

7 – Haisem – Que consequências poderão advir sobre as carreiras políticas de até 128 milhões de reais de Aécio e 20 milhões de reais de Cristiane Brasil e Benito Gama cada por propina do grupo J & F, decretado pelo juiz João Batista Gonçalves

8 – Carolina – A abertura das negociações diretas de Nicolás Maduro com a oposição liderada por Juan Guaidó na Noruega pode produzir alguma reviravolta na crise que parecia sem solução à vista na Venezuela

 

Tendências: