Que coisas mais feias!
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Que coisas mais feias!

Ao se achar grande demais para ser processado, Temer fica menor do que antes se sabia que era

José Nêumanne

09 Agosto 2017 | 11h10

Temer imita Lula tentando livrar-se da lei acusando seus agentes. Foto: Leonardo Benassatto/Reuters

Temer sempre foi pequeno politicamente. Agora apequenou-se mais ao pedir ao STF que suspenda Janot por suspensão, pois a função do procurador é acusar e é o que Janot faz e Temer deu motivo. Gilmar, que presidiu o espetáculo grotesco do TSE absolvendo Dilma e Temer por excesso de provas, entrou em cena, não como Pilatos, mas como Caifás. Os três se desqualificaram arrastando as instituições que presidem para o pântano moral chamado Brasil: Presidência da República, Supremo Tribunal Federal, Tribunal Superior Eleitoral e Procuradoria-Geral da República. E tem mais: por que a futura procuradora geral Raquel Dodge anda frequentando o Jaburu como faz Gilmar, fora da agenda? Não tinham de explicar?

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na quarta-feira 9 de agosto de 2017, às 7h30m)

Para ouvir clique aqui e, em  seguida, no play

Para ouvir Polícia Bandido Cachorro Dentista com Sérgio Sampaio, clique aqui

 

 

Abaixo, a íntegra da degravação do comentário

Eldorado 9 de agosto de 2017 – Terça-feira

Está aqui no alto da primeira página do Estadão de hoje:Temer pediu a suspeição de Janot, entrando, por meio de sua defesa, no Supremo Tribunal Federal com arguição de suspeição e impedimento do procurador-geral da República, que o denunciou por corrupção passiva no caso JBS. Ele agiu corretamente?

Temer pediu ontem a suspeição – e impedimento – de seu algoz, o procurador-geral da República Rodrigo Janot. Por meio de seu advogado, o criminalista Antônio Claudio Mariz de Oliveira, o presidente alega que ‘já se tornou público e notório que a atuação do procurador-geral da República, em casos envolvendo o presidente da República, vem extrapolando em muito os seus limites constitucionais e legais inerentes ao cargo que ocupa’.

No caso JBS, Janot denunciou Temer por corrupção passiva – a denúncia foi barrada na Câmara. O procurador atribui ao presidente o papel de chefe de organização criminosa. Temer pede o impedimento de Janot.

A defesa de Temer afirma que Janot mantém um ‘obstinado empenho no encontro de elementos incriminadores do presidente, claramente excessivo e fora dos padrões adequados e normais, bem como as suas declarações alegóricas e inadequadas, mostram o seu comprometimento com a responsabilização penal do presidente’.

Mariz invoca o artigo 254 do Código de Processo Penal, que fala da ‘inimizade’. A nosso jornal, Mariz fez referência a uma declaração polêmica de Janot que, indagado sobre o que vai fazer até o fim de seu mandato (15 de setembro), respondeu. “Enquanto tiver bambu vai ter flecha.”

“São questões pertinentes, basicamente, à conduta dele, que tem sido uma conduta que extrapola limites das funções de um procurador. O empenho dele em acusar o presidente a ponto de dar inúmeras entrevistas, usando expressões inapropriadas como foi a do bambu, demonstram esse ardor acusatório (de Janot). Inclusive, o protagonismo, o número excessivo de entrevistas, o número excessivo de palestras, aparições públicas, não está bem de acordo com a postura comedida, com a postura discreta que se espera de um representante do Ministério Público Federal.”

Ontem, em uma reunião do Conselho Nacional do Ministério Público, diversos integrantes da entidade defenderam o procurador-geral, como Fábio da Nóbrega.

SONORA 0908 NÓBREGA

Está dada a palavra ao MPF. Mas não vamos esquecer que eles cospem no prato em que comem pedindo aumento de 16% nesta penúria. Deveriam seguir o exemplo de Cármen Lúcia, que propõe rejeitar o mesmo aumento para a colenda corte do STF.

Essa situação não lembra aquele espetáculo de cafajestismo envolvendo o técnico do Vasco, Milton Mendes, e o zagueiro Rodrigo, da Ponte Preta, no jogo entre os dois times domingo, que Marília Ruiz condenou em seu Perguntar Nâo Ofende?

De fato, é do mesmo jaez e entra no rol da cafajestice geral brasileira.

Parece também com aquele poema famosíssimo de CDA, Quadrilha, que não se perca pelo nome: Janot que acusa Temer que insulta Janot que é xingado por Gilmar que janta com Temer. Briga de valentões de boteco pé-sujo. Enquanto se encontrava como faz amiúde sempre alegando tratar de reforma política, que é assunto que não lhe compete, de vez que não é legislador, Gilmar decretou, em seu estilo perporrento e arrogante de sempre, sem que ninguém lhe perguntasse, que Janot é o mais desqualificado PGR da História. Não me consta que Gilmar tenha conhecimento histórico de tão largo período para dar declaração tão genérica e ao mesmo tempo específica. De fato, Janot agiu muito mal ao abençoar, sempre em combinação com Fachin, colega de Gilmar, que Gilmar não acusa, uma delação premiadíssima para o bandido Joesley, que vem sendo desqualificadíssimo por Temer, que, contudo, não justifica porque o recebeu no Palácio no porão, na calada da noite, identificando-se com nome de outrem à guarda. Nesse caso específico, Janot disse corretamente que Temer prevaricou e confessou, embora tenha fugido de justificar seu delito ao cidadão da Nação que preside. Temer sempre foi pequeno politicamente. Agora se apequenou ainda mais em todo o episódio, pois a função do procurador é acusar e é o que Janot faz e ele deu motivo. Gilmar, que presidiu o espetáculo grotesco do TSE absolvendo Dilma e Temer por excesso de provas, entra em cena, não como Pilatos, mas como Caifás, sem ter sido chamado, como de hábito. Em suma, os três se desqualificam arrastando as instituições que presidem para o pântano moral chamado Brasil: Presidência da República, Supremo Tribunal Federal, Tribunal Superior Eleitoral e Procuradoria-Geral da República. Aliás, Haisem, por que a futura procuradora geral Raquel Dodge anda freqüentando o Jaburu como Gilmar, fora da agenda? Não era o caso de explicar?

Também na dobra de cima do Estadão, está noticiado que o governo desistiu de aumentar o Imposto de Renda, mas estuda novos tributos. Temer anunciou que desistiu de elevar a alíquota do Imposto de Renda, mas a equipe econômica confirmou que analisa um pacote de aumento de impostos para reforçar o caixa em 2018 e não descartou outras medidas nesse sentido. O que foi feito da promessa de não aumentar impostos?

Com forte reação de deputados da base aliada do governo e do empresariado contra o aumento do Imposto de Renda (IR) como alternativa para fechar as contas de 2018, o governo decidiu não levar adiante a criação de uma alíquota de 30% ou 35% para quem ganha mais de R$ 20 mil mensais. A equipe econômica, porém, confirmou que analisa um pacote de aumento de impostos para reforçar o caixa em 2018 e não descartou outras medidas nesse sentido.

Conforme antecipou o Estadão/Broadcast, a “cesta” em análise pelo Ministério da Fazenda inclui também a tributação de lucros e dividendos, de fundos de investimento imobiliário e o fim da isenção para investidores estrangeiros. Também está em análise o fim de benefícios fiscais dados a setores específicos como exportadores e indústria química. A intenção é reforçar os cofres públicos em R$ 35,5 bilhões no ano que vem.

Em tempo de penúria fiscal absoluta, Temer distribuiu 30 bilhões de reais em benesses a categorias privilegiadas do funcionalismo federal, dizendo que estava cumprindo promessas de Dilma. Como comentou um conterrâneo sanfoneiro, motorista de táxi do ponto da Celestino Bourroul, pra que então que Dilma foi deposta, ora? Agora esgotou praticamente as verbas de emendas orçamentárias para garantir sua vitória, que parece de Pirro, na Câmara contra Janot. Já foi dado a entender que os 139 bilhões da meta do déficit serão esticados como se dinheiro fosse feito de borracha. Ou seja: sua Excelência já anda a merecer o apelido de Promessinha.

Quanto aos impostos, ninguém aumenta mais. Meu amigo Zé Paulinho Cavalcanti invocou a curva de Lafer, que provou que aumento de imposto, quando ultrapassa o suportável, reduz arrecadação. Rodrigo Maia já avisou que não passa na Câmara. E o líder do DEM, Efraim, também criticou.

SONORA 0908 EFRAIM

E o que os jornais têm noticiado sobre a tentativa que o governo Temer está fazendo de perdoar as dívidas da tele Oi, que você não se cansa de denunciar para nossos ouvintes da Eldorado?

Eliana Lustosa, diretora do BNDES, que participou da reunião da Anatel com acionistas da Oi, “frisou que tão importante quanto capital novo é solucionar a dívida com a Anatel. A Tele propôs renegociar R$ 13,3 bilhões. ” Eliana, dívida da Oi com a União tem de ser paga. Chega com essa história de garfar a União.
O BNDES não aprende. A delação da JBS deixou claro que o BNDES é uma máquina de transferir recursos dos contribuintes, nós, para os corruptores. Não é possível que o corpo técnico do BNDES não viu nada disso que aconteceu com a JBS, a Odebrecht e a Oi. Essa manada de elefantes passou e ninguém viu nada. Não dá para acreditar.
O que está acontecendo agora com essas reuniões é uma mais uma manobra de Juarez Quadros para driblar a decisão do ministro Barroso. A decisão que impediu os desfalques dos direitos da União.
E agora Quadros conta com o apoio do BNDES.
Onde está o Rabello de Castro que não vê isso? Tem de defender a União, que também é a controladora do BNDES,

O ex-deputado Pedro Corrêa, contou à polícia e à Justiça o que sabe sobre a ligação de Lula a diretor da Petrobrás por propinas ao PP. A delação premiada dele, condenado a 20 anos e 7 meses desde o mensalão, foi homologada pelo relator da Lava Jato no Supremo, Edson Fachin. Já que você falou em Drummond antes e agora, José?

A festa ainda não acabou, mas o que não falta é denúncia contra o Aiatolula. O ex-deputado Pedro Corrêa (ex-PP) revelou, em delação premiada, homologada pelo relator da Lava Jato, Edson Fachin, pelo menos duas tratativas com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre propinas para o Partido Progressista, ao qual foi filiado à época em que exercia cargo no Congresso. Em uma delas, o petista teria ligado para o ex-diretor de abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, para conferir se as propinas ao Partido Progressista estariam sendo pagas ‘direitinho’ aos políticos da legenda. Lula, é claro, tem alegado que nem conhece Pedro Corrêa, que apresentou ao juiz, entre outras provas, foto ao lado do ex e de Zé Dirceu que, por benemerência do STF, está em casa, coitadinho.

Agora é esperar para ver se a delação do ex-deputado pode servir de motivo para abrir novos processos contra a alma mais honesta do universo. O que não falta é gente rezando por essa alma.

SONORA Polícia Bandido Cachorro Dentista Sérgio Sampaio

https://www.youtube.com/watch?v=OhiM2A_zYQ4