PT e corrupção na gestão Bolsonaro
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

PT e corrupção na gestão Bolsonaro

Apesar de se haver comprometido com eleitores antipetistas e adeptos do duro combate à corrupção, Bolsonaro nomeou funcionários próximos adversários dessas causas: Aras e Mendonça

José Nêumanne

14 de outubro de 2019 | 22h32

Desde a posse na PGR, Aras tem mostrado submissão ao STF de Toffoli na relação com a Lava Jato, embora pregue obediência total a Bolosonaro. Foto: Dida Sampaio

Muitos dos eleitores que sufragaram Jair Bolsonaro em outubro do ano passado no pleito presidencial por causa dos compromissos do candidato com a continuidade e o reforço do combate à corrupção e de seu antipetismo têm todas as razões do mundo para, no mínimo, se sentirem desconfortáveis com a nomeação do advogado-geral da União, André Mendonça. Ele foi promovido durante todos os seus anos de carreira na AGU pelo presidente do STF, Dias Toffoli, de óbvia militância petista. É perturbadora ainda sua prometida escolha para preencher a vaga do decano Celso de Mello naquele tribunal. Palavras e atos do procurador-geral da República, Augusto Aras, filho de um ex-deputado petista e ele mesmo com óbvias ligações com o PT e a esquerda no Congresso, também contrariam compromissos do candidato relegados a segundo plano na gestão de presidencial.

Para ouvir comentário clique aqui e, em seguida, no play

 

Assuntos para comentário segunda-feira 14 de outubro de 2019

1 – Haisem – Que indícios você vê de traição do presidente Jair Bolsonaro aos eleitores que votaram nele por acreditarem que ele não deixaria vestígios da permanência do Partido dos Trabalhadores em pontos nevrálgicos de sua administração

2 – Carolina – Que derrotas a Operação Lava Jato e outras do mesmo gênero sofreram nos primeiros sete meses e meio da gestão federal de Jair Bolsonaro, que proclama fidelidade ao combate contra corrupção

3 – Haisem – Que advertências você faz após ter lido a entrevista de Ciro Gomes publicada na Folha de S.Paulo ontem

4 – Carolina – Quais são as perspectivas de reviravolta na punição à corrupção em eventuais decisões do Suprejmo Tribunal Federal previstas para este semestre

5 – Haisem – Em que a divisão do PSL, legenda pela qual Jair Bolsonaro se elegeu presidente da República, poderá contribuir para aumentar a força do grupo chamado de Centrão na República

6 – Carolina – O que você tem a dizer sobre a virada de casaca com a presença do presidente da República na missa ontem dedicada à Padroeira do Brasil do arcebispo de Aparecida do Norte, dom Orlando Bentes

7 – Haisem – Quer dizer, então, que ainda não foi desta vez que as consagrações do ex-presidente Lula e do cacique Raoni com o Prêmio Nobel da Paz deixaram de ser fakenews da militância apaixonada da esquerda no que se chama resistência no Brasil

8 – Carolina – O que você viu de fora de série na programação cultural da cidade neste fim de semana

Tendências: