As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Preso põe República de joelhos

No afã de tirarem de seus caminhos agentes da lei do combate à corrupção deputados e ministros do STF envergonham Estado de direito para atender a condenado por corrupção e lavagem de dinheiro em três instâncias do Judiciário

José Nêumanne

07 de agosto de 2019 | 22h10

Câmara e STF atropelam o conceito da igualdade de todos perante a lei prestando vassalagem a presidiário que desonrou Presidência da República. Foto: Sérgio Castro/Estadão

A quarta-feira 7 de agosto de 2019 foi um dia de vergonha para as instituições brasileiras. A transferência de Lula, preso comum, condenado por corrupção em três instâncias, por 8 a 0, da PF, uma repartição pública onde ocupa uma sala e atrapalha a rotina de servidores no trabalho só porque foi presidente, foi proibida por 10 a 1 pelo STF, ocupado por deputados que querem se ver livres da Lava Jato, desobedecendo a lei e desonrando seus cargos de representantes do povo, que quer vê-lo preso.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: